Edição: 243

Diretor: Mário Lopes

Data: 26/2/2021

Fabíola Cardoso levou tema da poluição do Rio Nabão ao Parlamento

Deputada do Bloco de Esquerda confronta ministro do Ambiente sobre “crime ecológico em Tomar”

2021-02-02 19:27:52

Fabíola Cardoso

No dia das eleições presidenciais, verificou-se mais um novo, intenso e prolongado episódio de descargas poluentes no rio Nabão.  A deputada eleita pelo BE no Distrito de Santarém, Fabíola Cardoso, confrontou o ministro do Ambiente, na Assembleia da República (AR), sobre esse grave atentado ecológico no Nabão, que, para desespero da população, se repete com frequência e dura há décadas.

Depois da autarquia de Tomar imputar a origem da poluição à ETAR de Seiça, que embora instalada no concelho de Tomar serve o Concelho vizinho de Ourém, a autarquia ouriense começou por negar responsabilidades, para depois as assumir, perante a evidência dos factos. Agora, o Município de Tomar também já reconhece a sua parte de responsabilidade no problema.

“Tomar, tal como Ourém, não pode orgulhar-se do saneamento básico do concelho e tem revelado uma total ausência de fiscalização e vigilância dos agentes poluidores, a montante do rio. Encontrado o consenso entre os Municípios e declarada a vontade comum de pôr fim ao problema, com a criação da nova empresa “Tejo Ambiente, Empresa Intermunicipal do Ambiente do Médio Tejo” presidida atualmente pela presidente da Câmara de Tomar e também da CIMT, seriam de esperar avanços decisivos na resolução do problema. Mas tal não está a acontecer”, refere Fabíola Cardoso.

Em 2020, os deputados europeus do BE, Marisa Matias e José Gusmão, levaram o problema da poluição do Rio Nabão ao Parlamento Europeu, que conforme o procedimento habitual, terá certamente endereçado um pedido de explicações ao Governo português, mas “o que poderia ter sido uma oportunidade para procurar ajuda financeira para o projeto ambientalista da despoluição do Nabão, não o foi. Ou pelo menos, não se viu qualquer consequência prática”, salienta.

A resposta do Ministério do Ambiente à pergunta da semana passada na AR, transmitida pela secretária de Estado Inês Costa, não faz referência a qualquer projeto ou plano em curso, nem aos custos e fontes de financiamento. Mas refere, em tom apaziguador, que a situação estará a evoluir favoravelmente, que as Câmaras de Tomar e Ourém estão a trabalhar para resolver a situação.

Segundo a secretária de Estado, a empresa Tejo Ambiente estará a colaborar com a APA. Daí concluir que “as medidas estão todas em curso e esperamos que sejam eficazes para resolução do problema assim que possível”, mas, segundo a deputada bloquista eleita pelo distrito de Santarém, “nem uma palavra sobre a ETAR, nem sobre os 15 milhões de euros de investimento necessários e já anunciados pela presidente e pelo diretor da Tejo Ambiente, verba que agora, nas palavras de Inês Costa, parece  afigurar-se desnecessária…”

O Bloco de Esquerda considera “inaceitável que se continue a fazer tabu em atentados ambientais desta gravidade. O BE não reconhece estarem em curso medidas para resolver o problema. Ao que parece, querem silenciar a poluição do rio Nabão até às eleições autárquicas deste ano. O tema não interessa nem ao PS, a gerir a CMT há uma década; nem interessa ao PSD, a quem cabe a responsabilidade da construção em Tomar, sem contrapartidas para o concelho, da polémica ETAR.

O Secretariado da CCD de Santarém manifesta o seu repúdio pela situação, solidariza-se com a população de Tomar e exige do Ministério do Ambiente e de todos as entidades envolvidas, transparência, seriedade e celeridade na resolução deste atentado ecológico e também para a saúde pública.

 

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.