Edição: 264

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/11/26

PS de Alcobaça considera a obra um atentado ao Património Mundial

Construção de escada de betão na Escadaria do Mosteiro de Alcobaça gera indignação

Colocação de betão nas escadarias do Monumento Património Mundial

As recentes notícias sobre o Relatório do Património Mundial em Risco do Conselho Internacional de Monumentos (ICOMOS), onde está incluído o Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, deixou muita gente preocupada. Não obstante toda esta problemática, esta semana teve lugar mais duas intervenções polémicas: a utilização de betão no “restauro” da escadaria monástica ou a construção de uma escada  de acesso na Ala Norte do Mosteiro. Para a Concelhia do PS de Alcobaça, qualquer das situações é grave, sendo certo haver outras formas de acessibilidade ao monumento sem prejudicar o Património

O PS Alcobaça, presidido por Rui Alexandre,  já fez saber que é um assunto que interessa a todos os alcobacences e tendo sido questionado acerca do assunto, remeteu para a Câmara Municipal de Alcobaça uma explicação, considerando que a obra também é da responsabilidade da autarquia.

A Comissão Política de Alcobaça do PS está ciente que o Património e a Cultura são fatores fundamentais para o desenvolvimento integrado e sustentável do concelho de Alcobaça e, por isso, entende que as entidades responsáveis deveriam respeitar mais as recomendações para assegurar a proteção do nosso património.

O PS Alcobaça entende que não pode ficar indiferente a “tamanha atrocidade ao nosso património e gostaria de uma explicação urgente por parte da Edilidade responsável a todos os munícipes para o que se está a passar.”

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fábio

A maior ironia é que nas fotos a batedeira está com proteção no solo para não sujar com massa. País triste, cheio de incompetentes!!!

Sónia Duarte

Meu Deus, isto é uma vergonha, não cabe na cabeça de ninguém este trabalho. Todos os anos vou a Fátima a pé e essas escadas são paragem obrigatória. 😢 Nunca mais será a mesma coisa. Parem já essa....

André

Em Castro Marim,na subida para o Castelo e para facilitar os dias Medievais que se realizam anualmente, colocaram escadaria mas em madeira,que a qualquer altura poderá ser retirada...

Maria

Alguém ou alguma entidade já fez queixa oa ministério Público. É crime desctruir um monumento nacional.

PQP

É sério isso???

Joaé António

Começou a campanha eleitoral... com o socialismo da mãozinha a atacar--- em força... o das setinhas a apontar para o céu... e o outro... o das setinhas a apontar para o buraco... a ver passar a romaria...

E. Tiago

É urgente saber-se quem autorizou tamanho crime e aplicar-lhe , por quem de direito, a pena que merece.

Joao

Como isto é possível. A DGPC... Não se pronuncia? Iato não é um País, é uma peça de treato...

João Silva

Que barbaridade. É que nem as pessoas de mobilidade reduzida ganham com essa rampa. Já viram a inclinação da mesma? Estamos entregues aos bichos...

Margarida Nunes

Custa a crer. Até porque uma intervenção destas carece de pareceres. Isto tem que ter uma explicação qualquer. Ou então a administração pública bateu no fundo.

Pedro Moço

Estas intervenções estão sempre dependentes de autorizações. Estranha-se este tipo de intervenção. De facto julgo haver soluções mais adequadas. É sempre preferivel cuidar do existente de forma a evitar a degradação, e procurar uma solução complementar para servir as atuais necessidades. Qualquer intervenção neste tipo de patrimonio deve permitir a reversibilidade, de facto esta não não me parece a adequada. Que haja no minimo bom senso e claro se proteja o nosso património.

Guilherme Silva

Mais provas de que no nosso país o património não recebe o devido valor e reconhecimento... Os Monumentos, sobretudo os deste tipo, não são objetos de ornamentação, são História! E o problema aqui, parece-me, é que estes tais arquitetos de requalificação não se mostram aptos a este tipo de projetos que envolvem salvaguardar e preservar o património. E também, quem estuda para que estas barbaridades não aconteçam, não é reconhecido como recurso fulcral na procura de opções viáveis, que mantenham a integridade das obras. Ou, se aconteceu, e algum Conservador Restaurador, ou outra pessoa destas áreas, foi chamado a terreno para avaliar o caso, o facto de ter deixado isto acontecer, independentemente de preços e custos, é realmente muito grave e deplorável! (Já o havia escrito, mas volto a fazê-lo. É fundamental alertar e consciencializar para que este tipo de estupidez não aconteça)

Sandra Tomás

Um verdadeiro atentado e uma tremenda falta de respeito pelo nosso Belo Património. Os responsaveis deviam ser punidos!

Frederico Pereira

A ministra da cultura, que é feito dela? Andará por algum cocktail? Indiferente à sua área de responsabilidade?

José Abílio Coelho

Um crime de lesa património de Portugal. Onde para a ministra da Cultura?