Edição: 245

Diretor: Mário Lopes

Data: 2021/4/19

Investimento de 700 mil euros

Ministra da Saúde inaugura em Alcobaça primeira unidade cuidados paliativos do distrito de Leiria

Inauguração da Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital de Alcobaça Bernardino Lopes de Oliveira

A ministra da Saúde, Marta Temido, inaugurou em Alcobaça esta sexta-feira, dia 19 de março, a primeira unidade de cuidados paliativos do distrito de Leiria. A nova ala de cuidados paliativos do Hospital de Alcobaça Bernardino Lopes de Oliveira (HABLO) já se encontrava em funcionamento há alguns meses e tem uma capacidade para 250 utentes por ano.

A diretora do serviço, Catarina Faria, a mais nova de todo o Centro Hospitalar de Leiria, explicou que o objetivo desta unidade é proporcionar qualidade de vida a utentes com doença incurável, grave ou avançada progressiva e à respetiva família. A médica recordou que começou a trabalhar com uma equipa de cuidados paliativos no Hospital de Santo André, que se mantém, mas que aceitou o desafio de vir chefiar a unidade de internamento do Centro Hospitalar de Leiria, no Hospital de Alcobaça Bernardino Lopes de Oliveira, tendo como adjunta a enfermeira Isabel Costa.

O presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Leiria (CHL), Licínio de Carvalho, congratulou-se com a entrada em funcionamento da nova Ambulância SIV, que irá ficar sediada no HABLO, recordando que o Centro Hospitalar de Leiria tem quase 5% dos acionamentos de ambulâncias SIV a nível nacional

Relativamente à nova ala de cuidados paliativos do Hospital de Alcobaça Bernardino Lopes de Oliveira, Licínio de Carvalho recordou que a unidade de saúde irá preencher uma lacuna assistencial do SNS nesta região, representando um investimento de 700 mil euros. Contudo, lembrou que este foi apenas uma parte do investimento já realizado no HABLO desde 2013, que totaliza já 2,45 milhões de euros em requalificações no edifício já centenário.

Colaboradoras do HABLO a postos

O presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Leiria garante que o CHL irá continuar a alargar a sua oferta de serviços nas suas três unidades (Leiria, Pombal e Alcobaça), tendo investido 3,8 milhões de euros em 2020, apesar da pandemia, valor que subirá para 8 milhões em 2021 e para 24 milhões de 2021 a 2024.

Licínio de Carvalho agradeceu a presença da ministra da Saúde, recordando que é a primeira vez que Marta Temido visita o Hospital de Alcobaça e realçando que a mesma ocorreu, apesar do contexto pandémico e da Presidência Portuguesa da União Europeia

Também o presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Paulo Inácio, agradeceu a presença da ministra da Saúde na inauguração da nova ala de cuidados paliativos do Hospital de Alcobaça Bernardino Lopes de Oliveira (HABLO) e na entrega formal da Ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV).  “Neste período de grandes dificuldades, quero partilhar publicamente o meu testemunho e reconhecimento pelo enorme profissionalismo dos homens e mulheres que trabalham neste hospital e pelo investimento, empenho e dedicação a esta unidade por parte do Ministério da Saúde, na pessoa da Sra. Ministra e do Dr. Licínio Gomes”.

O autarca congratulou-se pela decisão de integrar o Hospital de Alcobaça Bernardino Lopes de Oliveira no Centro Hospitalar de Leiria, recordando que “a autarquia muito contribuiu em tempo oportuno (2013) para redirecionar o HABLO para Leiria, quando poucos acreditavam que fosse possível. Julgo que agora todos reconhecem unanimemente esta decisão como uma aposta ganha.”

Luís Meira (INEM), Rosa Marques (ARS do Centro), Paulo Inácio (CMA), Marta Temido e Licínio de Carvalho (CHL)

Por sua vez, a ministra da Saúde admitiu que “os cuidados paliativos em Portugal tem ainda muito caminho para fazer”, mas não quis falar de números, considerando que o importante é cuidar das pessoas e lembrando que o SNS não se restringe a proporcionar nascimentos em segurança ou a curar patologias, tendo também o dever de cuidar das pessoas no fim da sua vida.

Marta Temido destacou “a confiança que temos de ter na dinâmica dos serviços públicos, concretamente, do Serviço Nacional de Saúde. Este hospital passou por diversas fases ao longo da sua vida e é com grande honra que assistimos a uma nova readaptação dos seus serviços assistenciais, agora mais preparados para dar uma resposta única no distrito de Leiria. Esta unidade de cuidados paliativos, a primeira do distrito, irá marcar uma nova era em matéria de cuidados de saúde nesta importante região do País.”

Relativamente à nova Ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV), a ministra da Saúde recordou que existem 42 ambulâncias SIV em Portugal que respondem a 250 acionamentos diários, tendo já sido acionadas 400 mil vezes desde que foram criadas, salvando muitas das pessoas assistidas.

A ministra da Saúde fez ainda referência ao secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, natural do distrito de Leira, revelando que partiu dele o convite para que fosse Marta Temido a presidir a esta inauguração

A intervenção na ala de cuidados paliativos foi cofinanciada em 85% pelo quadro comunitário Portugal 2020, e contou ainda com uma doação de 75 mil euros por parte do Município de Alcobaça por via de um protocolo assinado em outubro de 2019. Neste quadro de apoio e de investimento nas infraestruturas de saúde do concelho de Alcobaça, a autarquia atribuiu ao todo um montante global de 100 mil euros ao HABLO que reverteram quer para a unidade de cuidados paliativos quer para a instalação da Ambulância SIV.

Este veículo de emergência, equipado com diversos meios técnicos e humanos, é muito importante quer para o transporte de doentes em cuidados paliativos, quer para o auxílio de diversas tipologias de urgências que carecem de transferência rápida e qualificada para hospitais centrais. Circulam a nível nacional 42 ambulâncias desta tipologia, com uma média de 250 acionamentos por dia. O distrito de Leiria detém cerca de 5% do total destes veículos.

Mário Lopes

Com GRPP|CMA

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.