Edição: 245

Diretor: Mário Lopes

Data: 2021/4/19

Trabalhadores cumprem três dias de greve

PCP saúda luta e "notável exemplo de unidade" dos trabalhadores da Santos Barosa na Marinha Grande

Ângelo Alves e outros dirigentes do PCP estiveram com os trabalhadores da Santos Barosa

A Direcção da Organização Regional de Leiria do Partido Comunista Português expressa o seu apoio à luta dos trabalhadores do Grupo Vidrala pelo aumento digno dos salários, a valorização do subsídio de laboração contínua, a redução do horário de trabalho para as 35 horas semanais e por outras melhorias nas condições de trabalho.

O PCP saúda os trabalhadores da Santos Barosa e o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Vidreira (STIV / CGTP-IN) pelo notável exemplo de unidade, demonstrado na adesão massiva à Greve que se iniciou no dia 22 de março e que termina esta quarta-feira, dia 24, bem como na presença de centenas de trabalhadores nos sucessivos Piquetes de Greve. Expressa de igual forma a sua solidariedade e apoio aos trabalhadores da Gallo Vidro, que irão iniciar no próximo dia 28 de Março uma Greve também por aumento de salários e melhores condições de trabalho.

A força da luta destes trabalhadores é uma grande resposta à intransigência da Administração do Grupo Vidrala, à decisão unilateral de imposição de um aumento de 0,5% dos salários e à recusa em dialogar com os trabalhadores e suas estruturas representativas.

Trabalhadores da Santos Barosa terminam esta quarta-feira três dias de greve

Uma Delegação do PCP dirigida por Ângelo Alves, membro da Comissão Política do Comité Central e responsável pela Organização Regional de Leiria, e integrada por outros dirigentes regionais e eleitos locais do Partido, deslocou-se esta terça-feira à Santos Barosa para manifestar o apoio do Partido às reivindicações e à luta destes trabalhadores, apoio esse que foi expresso ao longo destes dois dias com uma presença solidária em todos os piquetes de greve, e que à semelhança do que aconteceu no passado se manterá após esta jornada de luta.

O PCP reafirma a sua determinação na intervenção e luta pela valorização do trabalho e dos trabalhadores, pelo aumento geral dos salários, incluindo do Salário Mínimo para 850 Euros, a diminuição do horário de trabalho para 35 horas para todos os trabalhadores, o combate à desregulação dos horários e pela melhoria das condições de trabalho, incluindo as condições de proteção sanitária face à pandemia, nomeadamente dos trabalhadores que ao longo do último ano nunca pararam de laborar, como é o caso dos operários vidreiros.

Como o PCP tem vindo a denunciar, a epidemia de COVID19 está a ser utilizada pelo patronato e pelo grande capital para tentar retirar direitos e rendimentos aos trabalhadores. Só a unidade na ação dos trabalhadores poderá travar tais intentos. A luta dos operários vidreiros da Marinha Grande é mais um importante contributo nesse sentido, e na sua luta estes trabalhadores podem contar com o PCP.

    Fonte: GI|DORLei|PCP

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.