Edição: 261

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/8/19

Tomada de posse decorreu no dia 25 de outubro

PSD e PS chegam a acordo para governar a Câmara Municipal de Santarém

Ricardo Gonçalves (PSD)

A cerimónia de tomada de posse dos órgãos autárquicos do concelho de Santarém, eleitos no dia 26 de setembro, que decorreu no dia 25 de outubro, no Convento de S. Francisco, ficou marcada pelo anúncio de Ricardo Gonçalves, presidente do município, de que o PSD, vencedor das eleições sem maioria absoluta, e o PS, a segunda força política mais votada no concelho, chegaram a acordo para formar executivo na autarquia e garantir estabilidade governativa. Para já, o acordo entre os partidos envolve o executivo municipal e assembleia Municipal, podendo ainda abranger outras valências municipais.

Ricardo Gonçalves, presidente da Câmara de Santarém, enalteceu e agradeceu o trabalho desenvolvido, por todos os eleitos, ao longo do mandato anterior. O autarca salientou que é a terceira vez que os escalabitanos lhe depositaram confiança para presidir ao município de Santarém e que “isto faz aumentar ainda mais a responsabilidade que já sinto, conjuntamente com a minha equipa, para fazer de Santarém um concelho com cada vez mais futuro”, acrescentou.

Segundo o edil, “Santarém e os escalabitanos são aquilo que nos une. Santarém e os escalabitanos aparecem sempre em primeiro lugar para todos nós, que estamos aqui reunidos, neste histórico e magnífico Convento de São Francisco”, acrescentando que “foi com esse espírito, que sempre defendi, que independentemente de haver maiorias absolutas ou não, se deviam tentar amplos consensos em torno do futuro de Santarém. Foi isso que tentámos há quatro e há oito anos. Foi isso que tentámos agora”, afirmou.

Manuel Afonso (PS)

Ricardo Gonçalves anunciou então que “temos reunido com ambas as forças partidárias com assento no executivo municipal e posso hoje anunciar que já estabelecemos uma base sólida de entendimento com o PS, o que nos trará a necessária estabilidade para a governação do concelho nos próximos 4 anos”, adiantando que “queremos unir pessoas e objetivos em prol de Santarém. Em prol de um futuro que todos desejamos para os nossos filhos e netos”, porque “a causa comum de todos nós é Santarém e os escalabitanos. Juntos, não há dificuldade que não possa ser ultrapassada, nem futuro que não possa ser alcançado”, disse.

Sem adiantar ainda de que forma se traduz o entendimento entre os dois partidos, Ricardo Gonçalves garante que “juntos conseguiremos fazer de Santarém um concelho mais desenvolvido, e um dos melhores de Portugal, com um contínuo desenvolvimento económico e social. Juntos, teremos um concelho ainda mais solidário, cresceremos em residentes, com mais empresas e emprego, com mais turistas, ou seja, com mais riqueza e maior qualidade de vida. Conseguiremos, em conjunto, um concelho mais desenvolvido e cada vez mais próximo das pessoas” e “conseguiremos levar Santarém ao sucesso e ao futuro desejado”, deixando no entanto o aviso de que “teremos que estar preparados para, por vezes, sermos criticados e incompreendidos, mas nunca nos poderemos desviar do caminho”.

Lembrando as dificuldades colectivas que Portugal e o mundo atravessam, Ricardo Gonçalves afirmou que este é também “um novo tempo, de muitas e novas oportunidades”, onde “temos um Plano de Recuperação e Resiliência que terá que ser aproveitado ao máximo” e no qual “já temos uma candidatura aprovada, a do nosso Plano Local de Habitação, que com os seus mais de 21 milhões de euros, irá permitir acabar com a indignidade de ainda termos pessoas em Santarém a viver com más condições de habitabilidade”.

Pedro Frazão (Chega)

Ricardo Gonçalves afirmou também que “o PRR terá que obrigatoriamente nos garantir mais investimentos para Santarém”, como por exemplo para a criação de uma residência de estudantes; a requalificação da atual Zona Industrial e a criação de novas zonas de desenvolvimento económico e de inovação, porque “queremos um concelho mais competitivo, empreendedor e inovador, onde seja reforçado o reconhecimento que já lhe é devido, como concelho bom para viver, trabalhar e investir”.

O edil enumera ainda a criação de um grande cluster da saúde em Santarém, a regeneração da zona ribeirinha e a despoluição do Tejo, assim como “a construção de uma barragem a montante de Santarém, para que se consigam caudais mínimos e o rio se mantenha vivo”. Também a “revitalização do rio Alviela irá ser uma realidade” e alertou que “as restantes encostas de Santarém necessitam de ser consolidadas”, deixando um recado ao Governo de que este “tem a obrigação de fazer o que outros não fizeram, e terá que arranjar verbas para a que obra se concretize”.

Ricardo Gonçalves afirmou ainda que “enquanto eu estiver à frente dos destinos do Município de Santarém, nunca desistiremos da Variante à Linha do Norte. Este investimento não colide com a alta velocidade Lisboa- Porto, e é fundamental para a nossa região. Não nos pode ser sonegado por qualquer Governo, seja ele de que partido for”, reiterou.

Carlos Marçal (PSD), Joaquim Neto (PS), e Helena Vítor Vinagre (PS)

Segundo o edil, o executivo vai “reafirmar Santarém como destino de turismo, de cultura e de lazer” e “queremos uma cidade mais atrativa, criativa e fervilhante, que potencia as tradições equestres, o seu património e a enogastronomia”, acrescentando ainda que “vamos afirmar Santarém como um concelho inclusivo e com uma educação de excelência”.

Manuel Afonso, cabeça de lista do PS, confirmou aos jornalistas a existência de um “entendimento entre os dois partidos”, referindo no entanto que “ainda não podemos falar concretamente porque só daqui a uns dias vai ser concretizado”. O socialista afirmou ainda que “Santarém é a nossa terra e pela nossa terra fazemos tudo, esse tudo significa que estamos a trabalhar em conjunto para encontrar uma boa solução”.

Tanto o presidente da Câmara, Ricardo Gonçalves, como o cabeça de lista do PS, Manuel Afonso, recusaram-se a adiantar pormenores sobre o acordo político, remetendo todas as explicações para uma conferência de imprensa conjunta, a realizar ainda durante esta semana.

Sessão decorreu no Convento de S. Francisco

Recorde-se que o PSD ganhou as eleições autárquicas para a Câmara de Santarém mas sem maioria absoluta. O partido elegeu 4 vereadores, tantos quanto o PS, enquanto o Chega elegeu o nono vereador. Assim, o executivo municipal é constituído por Ricardo Gonçalves (presidente), João Leite, Inês Barroso e Diogo Gomes, eleitos pelo PSD; Manuel Afonso, Nuno Russo, Nuno Domingos e Sofia Martinho, eleitos pelo PS e Pedro Frazão, vereador eleito pelo Chega.

Em relação à Assembleia Municipal tomaram posse, por ordem de eleição, 27 deputados: Joaquim Neto (PS); Carlos Marçal (PSD); Rui Barreiro (PS); Alfredo Silva (PSD); Dina Rocha (PS); Carla Neto (PSD); Luís Batista (PS); Pedro Correia (Chega); Filipa Martinho (PSD); Ana Rita Félix (CDU); Virgínia Esteves (PS); Jorge Rodrigues (PSD); António Braz (PS); Pedro Melão (PSD); Helena Vítor Vinagre (PS); Paula Cruz (PSD); Filipa Filipe (BE); José Magalhães (PS); David Correia (Chega); Vasco Tomás (PSD); Afonso Silveira (CDU); Nádia Pereira (PS); Filipe Brígida (PSD); André Lopes (PS); Ana Marta Teixeira (PSD); Raquel Cordeiro (PS) e Pedro Nunes de Melo (CDS).

Na Assembleia Municipal têm assento por inerência os 18 presidentes das juntas de freguesia eleitos: Abitureiras – Adriana Madeira (PSD); Abrã – Luís Fragoso Inês (PS); Alcanede – Manuel Vieira (PSD); Alcanhões – Pedro Mena Esteves (PS); Almoster – Pedro Teixeira da Costa (PS); Amiais de Baixo – Duarte Neto (PS); Arneiro das Milhariças – Paulo Guedes (PSD); Moçarria – Dário Madeira dos Santos (PS); Pernes – Raul Violante (PS); Póvoa da Isenta – José Pedro (PSD); Vale de Santarém – Manuel Custódio (PS); Gançaria – Joaquim Aniceto (PSD); UF de Achete, Azóia de Baixo e Póvoa de Santarém – Guida Botequim da Gaga (MIAAP – Movimento Independente da União de Freguesias de Achete, Azóia de Baixo e Póvoa de Santarém); UF Azóia de Cima e Tremês – Luís Mena Esteves (LITA – Lista Independente na União de Freguesias de Azóia de Cima e Tremês); UF Casével e Vaqueiros – Miguel Tomás (PSD); UF Romeira e Várzea – Artur Colaço (PS); UF da Cidade de Santarém – Diamantino Duarte (PS) e UF de São Vicente do Paul e Vale Figueira – Ricardo Costa (MIFU – Movimento Independente na União de Freguesias de São Vicente do Pau e Vale de Figueira).

O presidente da Assembleia Municipal é Joaquim Neto (PS). Tendo em conta o entendimento entre o PS e PSD, a Mesa da Assembleia Municipal é constituída por Joaquim Neto (PS), Carlos Marçal (PSD), como 1.º Secretário, e Helena Vítor Vinagre (PS), como 2.ª Secretária.

   Mónica Alexandre

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.