Edição: 253

Diretor: Mário Lopes

Data: 2021/12/1

Associação ambientalista coloca o valor dos serviços de Ecossistemas em debate

GEOTA promove nas Caldas da Rainha 2º debate de 'Mesas redondas à volta da Terra' sobre temas ambientais atuais

João Dias Coelho, presidente do GEOTA

O GEOTA, Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente, está a promover um ciclo de “Mesas redondas à volta da Terra”, através da realização de vários debates e conferências, para promover a discussão e consciencialização sobre temas ambientais, tais como os recursos hídricos e a poluição. O segundo debate acontece já no próximo dia 4 de novembro, às 15 horas, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha e as inscrições já estão abertas.

No primeiro ciclo, a 28 de maio, os convidados das mesas redondas procuraram responder, respetivamente, a dois temas: “Barragens, que futuro?” e “O planeta de Plástico”, tendo sido amplamente participadas, quer pelos oradores(as) convidados(as), quer pelo público.

Neste segundo ciclo de mesas redondas, o tema será “Quanto vale uma Zona Húmida?”, procurando o GEOTA sensibilizar a sociedade para as vantagens económicas e ambientais da preservação do ambiente que se encontra cada vez mais ameaçado por ações humanas, pondo em causa a sobrevivência de inúmeras espécies.

“As zonas húmidas são os ecossistemas mais ameaçados do planeta, sendo o objeto principal deste debate e o valor dos serviços que prestam nas suas muitas vertentes, como a manutenção da qualidade da água, a proteção contra cheias,  infraestruturas de uso público essenciais, apoio a atividades turísticas, assim como o lazer e proteção da biodiversidade para as comunidades envolventes, sendo um dever comum a sua preservação” afirma João Dias Coelho, presidente do GEOTA.

Neste evento, orientado para os responsáveis políticos e técnicos Municipais, de ONGA, de instituições de ensino, empresas de animação turística e ecoturismo e outras entidades que beneficiam direta e indiretamente dos serviços de ecossistema de zonas húmidas, apresentam-se respostas a questões como, qual a diferença entre Capital Natural e Serviços de Ecossistema, como criar um modelo de remuneração dos Serviços de Ecossistema para uma zona húmida, como se pode aplicar esse modelo a um caso concreto, especificamente, para a Reserva Natural Local do Paul de Tornada, qual o ponto de vista das partes interessadas, como podem ser envolvidas nessa criação do  modelo de remuneração dos Serviços de Ecossistema, como pode este modelo contribuir para o financiamento da conservação da natureza e quanto vale uma zona húmida.

“O objetivo desta iniciativa é promover a literacia ambiental através do debate público de temas ambientais relevantes que têm vindo a marcar a atualidade ambiental dos últimos meses em Portugal e também influenciar decisores no sentido dessa proteção, nomeadamente através da implementação de mecanismos de remuneração de serviços de ecossistemas”, acrescenta João Dias Coelho, presidente do GEOTA.

O evento contará com uma mesa de abertura composta por João Dias Coelho, presidente do GEOTA, Sara Moreira, em representação da Associação PATO, Joaquim Beato Caetano, vice-presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha e também Vivia Chung-fei Chang, embaixadora do Centro Económico e Cultural de Taipei.

Os responsáveis pelo tema em debate serão Fernando Pereira, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Miguel Silva Coordenador Executivo do GeoparqueOeste, Cristina Marta-Pedroso e Lia Laporta da ATTHIS Consulting, com moderação de Rogério Ivan, Diretor Executivo da Associação Oeste Sustentável.

Serão ainda apresentadas as conclusões do relatório desenvolvido pelas empresas ATTHIS Consulting e Terra Prima, com o apoio do Fundo Ambiental, que incide no “Desenvolvimento de um Caso de Remuneração de Serviços de Ecossistema para o Paul de Tornada”, envolvendo a determinação da capacidade potencial de fornecimento dos Serviços de Ecossistema prestados pela Reserva Natural Local do Paul de Tornada, bem como uma estimativa do seu valor económico por via da transferência de benefício. Será também apresentada uma plataforma WebSIG para disponibilização da informação cartográfica produzida.

As inscrições para o evento já se encontram abertas, são gratuitas e requerem apenas o preenchimento de um formulário online.

Sobre o GEOTA

O GEOTA, Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente, é uma organização não-governamental de ambiente que nasceu a partir de uma ideia fundamental: considerar o ambiente como um fator central de desenvolvimento. Não há desenvolvimento possível sem salvaguardar os recursos ambientais, tal como não é possível proteger o ambiente à revelia das aspirações dos cidadãos.

 

Website: https://www.geota.pt/

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.