Edição: 253

Diretor: Mário Lopes

Data: 2021/12/1

Utentes realizam vigília no dia 9 de novembro, às 21h

Utentes do Centro de Saúde da Cela desesperam sem médico de família desde julho

Comissão de utentes do Centro de Saúde da Cela compareceu esta segunda-feira na reunião da Câmara Municipal de Alcobaça

Representantes da comissão de utentes do Centro de Saúde da Cela manifestaram-se na reunião de Câmara de Alcobaça, de 8 de novembro, e exigiram ao Executivo municipal que faça pressão junto do Ministério da Saúde, para que se resolva rapidamente o problema da falta de médicos naquele centro de saúde. Desde julho, altura em que se reformou o médico que ali prestava cuidados de saúde primários, que os cerca de 3 mil celenses têm dificuldades em obter consultas, pedir receituário ou fazer o acompanhamento das suas patologias clínicas.

Rogério Raimundo, um dos membros da comissão de utentes, salientou que “os utentes com doenças crónicas precisam de acompanhamento regular”, sendo a maioria deles idosos, sem capacidade de deslocação para os serviços complementares destinados aos utentes do Centro de Saúde da Cela, que se situam “nas Caldas, na Nazaré e Bombarral”.

Segundo o representante da comissão de utentes, apenas um médico presta serviço naquela unidade de saúde, “duas vezes por semana, à tarde” e “atende apenas 8 utentes”, sendo que a situação ainda se poderá agravar mais, uma vez que este clínico também irá reformar-se. Atualmente existem duas vagas em aberto para médico de família no Centro de Saúde da Cela, que aguardam preenchimento.

Também David Santos, representante dos utentes, considerou que no “concelho de Alcobaça existem utentes de primeira, de segunda e de terceira” e os “utentes da Cela são de terceira porque não têm acesso a cuidados de saúde primários”, acrescentando que, “a nível de instalações, de materiais de diagnóstico, estão completamente obsoletos” e a “freguesia de Cela foi completamente esquecida” neste campo.

Hermínio Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, admitiu que atualmente o Centro de Saúde da Cela “é dos piores do concelho”, no que se refere às instalações físicas. O edil garantiu à Comissão de utentes que tem acompanhado o caso e que tem a garantia por parte da diretora executiva do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte, Ana Pisco, de que “até ao final do ano este assunta será resolvido”.

O presidente da Câmara garantiu que irá continuar a fazer pressão junto do Ministério da Saúde e por sua vez, o vereador do PS, António José Henriques, apelou a que o município exerça a sua pressão não só junto do Ministério mas também junto da Ordem dos Médicos “que também tem grandes responsabilidades nesta matéria”.

No seguimento das ações de protesto contra a falta de clínicos, a Comissão de Utentes irá promover no dia 9 de novembro, às 21h, em frente ao Centro de Saúde da Cela, uma vigília com o objetivo de reivindicar médicos de família para aquele serviço.

 Mónica Alexandre

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.