Edição: 253

Diretor: Mário Lopes

Data: 2021/12/1

Criada a partir dos sons locais relacionados com a pedra

Territórios de Pedra inaugura exposição "O Cantar da Pedra" em Ansião, Figueiró dos Vinhos e Pombal

Expressões sonoras e visuais resultam do trabalho de campo e arquivo digital da Binaural Nodar

Os Municípios de Ansião, Figueiró dos Vinhos e Pombal, que integram o projeto Territórios de Pedra, vão inaugurar nos dias 12 de novembro, 26 de novembro e 10 de dezembro, respetivamente, a exposição itinerante “O cantar da Pedra” pela Binaural Nodar. O Projeto inclui um atelier para crianças e uma exposição de expressões sonoras e visuais a partir de trabalho de campo e arquivo digital da Binaural Nodar.

Criada a partir dos sons locais relacionados com a pedra, esta exposição contempla uma instalação sonora da autoria de Luís Costa e João Farelo, um conjunto de intervenções plásticas da autoria de Mónica Garcia e um conjunto de painéis visuais desenhados por Liliana Silva que refletem os conteúdos do arquivo sonoro. Em cada concelho serão apresentados painéis visuais e intervenções relacionadas com cada território. Deste projeto resulta, ainda, um arquivo digital online com 60 documentos sonoros catalogados.

A exposição “O cantar da Pedra” é resultado do trabalho de campo realizado por etnógrafos, artistas visuais e sonoros que participaram em residências artísticas nos últimos meses nestes concelhos. Durante as residências artísticas do projeto, a equipa de criadores da Binaural Nodar: Luís Costa, Mónica Garcia, João Farelo, Nely Ferreira e Liliana Silva incluiu no seu trabalho, ouviu e registou múltiplas vozes sobre a pedra: canteiros, pedreiros, calceteiros, transportadores de brita, construtores de muros em pedra seca, de escultores, de colecionadores de pedras, moleiros, pastores, de geógrafos, de geólogos, e de muitas outras atividades ligadas ao mundo da pedra.

Segundo os responsáveis da Binaural Nodar também foram incluídos outros “cantares”, como paisagens sonoras, por exemplo dos próprios trabalhos na pedra e um conjunto de interações sonoras levadas a cabo pela equipa do projeto e que consistiram em manipulações de contextos geológicos (rochas, buracos, pedras), de forma a que pudessem ser escutados alguns sons “adormecidos” ou “em potência” na própria paisagem. E ainda incorpora aspetos táteis, visuais, sonoros, de pensamento etc, que permitem uma abordagem poética.

Desta criação faz ainda parte um arquivo digital, que ficará disponível na página www.territoriosdepedra.pt e em www.cantardapedra.org, para memória futura a partir do dia 12 de novembro. Contempla sessenta edições sonoras catalogadas, vinte relacionadas com as gravações de campo efetuadas em cada município.

No âmbito da exposição “O Cantar da Pedra”, os responsáveis da Binaural Nodar irão ainda realizar em cada município um ateliê dirigido a crianças, que tem como objetivo a reflexão e a estimulação sensorial a partir simultaneamente da pedra enquanto património cultural local e tendo como referência a tipologias de conteúdos da própria exposição “O Cantar da Pedra”.

Ficha técnica da exposição

Direção Artística: Luís Costa ; Captação, edição e mapeamento sonoro: Luís Costa, João Farelo e Nely Ferreira; Intervenções plásticas: Mónica Garcia; Conceção do percurso expositivo: Luís Costa, Mónica Garcia e Liliana Silva; Concepção do arquivo digital: Luís Costa.

   Fonte: Eventuais

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.