Edição: 264

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/11/30

Centro Hospitalar de Leiria reforça investimento no Serviço de Gastrenterologia e aposta na diferenciação

O Centro Hospitalar de Leria (CHL) tem reforçado o investimento no Serviço de Gastrenterologia, que eleva a cerca de 1 milhão de euros, apostando na sua diferenciação, com a recente ampliação do espaço físico e melhoria das suas condições, bem como a aquisição e instalação de novas técnicas e exames do foro gastrenterológico, como a manometria esofágica e anorretal.

O CHL foi uma das unidades públicas de saúde contempladas no âmbito da operacionalização do artigo 275º da Lei do Orçamento de Estado de 2021, que estabelece a transferência de verbas destinadas à adaptação de espaços e aquisições de equipamentos de fibroscopia, de lavagem e desinfeção necessárias à internalização de exames de endoscopia gastrenterológica. Foram aprovados cinco dos seis projetos do CHL, no valor total de 461.944 euros, tendo sido atribuído o cofinanciamento de 409.028 euros.

Neste âmbito foi possível adquirir um novo equipamento de manometria esofágica e anorretal e respetivos cateteres, que irá apetrechar e introduzir novas técnicas de diagnóstico no Serviço de Gastrenterologia, disponíveis brevemente.

«O novo equipamento vem reforçar a diferenciação na Gastrenterologia do CHL, com novos procedimentos diagnósticos, que não necessitam de sedação, e permitem tornar ainda mais eficiente a prestação especializada de cuidados», afirma Licínio de Carvalho, presidente do Conselho de Administração do CHL. «Desta forma, o CHL permite que os utentes não tenham de sair de onde vivem para a realização destes exames, sendo inovadora a oferta destes cuidados na região.»

«Temos um serviço constituído por uma equipa jovem motivada, com um imenso potencial de crescimento e de desenvolvimento. Estamos focados em diferenciar, crescer, manter a atividade e o Serviço, com a aposta na implementação de novas técnicas para os nossos utentes», destaca Helena Vasconcelos, diretora do Serviço de Gastrenterologia do CHL. «Temos registado um aumento do número de consultas e de exames efetuados na Unidade de Ambulatório de Gastrenterologia, o que é muito significativo para o nosso desenvolvimento, enquanto especialidade.»

No último trimestre de 2020, foi realizada uma obra de ampliação da Unidade de Ambulatório de Gastrenterologia, que incluiu a criação de mais um gabinete médico, duas salas de exames, o alargamento do recobro para oito camas e da sala de espera, que tem agora 26 lugares sentados. Foi também adquirido um equipamento de disseção endoscópica da submucosa (ESD). Esta técnica permite a excisão de lesões tumorais do tubo digestivo, o que representa a extração completa de cerca de 80 a 90% das lesões gástricas e 90% das lesões colorretais.

Ao nível dos novos exames do Serviço de Gastrenterologia, a pHmetria com impedância, a manometria esofágica e a anorretal, ambas de alta resolução, são técnicas complementares de diagnóstico que visam o estudo de importantes funções do tubo digestivo, em particular a motilidade digestiva.

A manometria esofágica de alta resolução caracteriza os movimentos do esófago e da junção entre o esófago e o estômago. Este exame está indicado na avaliação de casos selecionados de doentes com disfagia (dificuldade em deglutir) ou com dor torácica não cardíaca, sendo um exame essencial na avaliação pré-operatória da cirurgia anti-refluxo.  A manometria anorretal de alta resolução permite avaliar as pressões do esfíncter anal e do reto, bem como a coordenação entre o reto e o esfíncter anal. As principais aplicações clínicas são o estudo da incontinência anal e da obstipação refratária associada a sintomas sugestivos de distúrbios da evacuação.

A pHmetria com impedância é um método de diagnóstico que deteta a presença de refluxo do conteúdo do estômago para o esófago. Este exame é utilizado para estudar sintomas como pirose/azia e regurgitação que não respondem ao tratamento; para avaliar casos selecionados de doentes com sintomas atípicos de doença de refluxo gastro-esofágico (náuseas, eructação, saciedade precoce, enfartamento, dor epigástrica, vómitos, flatulência, sialorreia, dor torácica, sintomas respiratórios, sintomas relacionados com a cavidade oral, laringe e faringe) e para confirmar a presença de refluxo gastroesofágico patológico nos doentes propostos para cirurgia anti-refluxo.

    Fonte: Midlandcom

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.