Edição: 261

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/8/19

Projeto tem apoio da Rede Cultura 2027

Flâneur ao Centro leva arte ao espaço público do Bombarral, Leiria, Lourinhã e Torres Vedras

Cartaz

O projeto chama-se Flâneur ao Centro e vai transformar, entre abril e julho, os espaços públicos dos municípios do Bombarral, Leiria, Lourinhã e Torres Vedras em palcos de arte. A proposta de intervenção artística no espaço público foi desenhada e coordenada pela Procur.arte, em parceria com os municípios mencionados, e convida a visitar exposições de fotografia nas ruas e praças.

O projeto que estabeleceu uma parceria estratégica com a Rede Cultura 2027 e Turismo do Centro arranca com a primeira mostra em Leiria, de 9 de abril a 1 de maio, no Largo Papa Paulo VI. Seguem-se Bombarral, de 7 a 29 de maio, na Praça do Município, Lourinhã, de 4 a 26 junho, na Praça José Máximo da Costa, e Torres Vedras (Santa Cruz), 2 a 24 julho, no Largo Jaime Baptista da Costa.

“Este projeto desafia os artistas a criarem novas leituras sobre este território, tendo como ponto de partida o conceito de flâneur e como contexto físico esta região enquanto caleidoscópio social em constante mutação. O objetivo é, a partir da criação artística e da fotografia, promover uma leitura contemporânea do território”, explica Nuno Ricou Salgado, da Procur.arte.

Flâneur ao Centro é livremente inspirado na obra e percurso do Arquiteto Ernesto Korrodi, que, a partir de Leiria, realizou várias obras em Portugal continental. De origem suíça, Korrodi naturalizou-se português, foi pioneiro da Art Noveau e recebeu dois Prémios Valmor. Para além dos seus estudos sobre o património, desenhou edifícios públicos, casas, quintas e teatros na região. A fauna e flora caraterísticas da região (uva, pêra, maçãs, figos, etc) estão presentes em toda a sua obra, tanto na cantaria como no trabalho do ferro e mobiliário.

Tendo como inspiração o espírito deambulante de Ernesto Korrodi, foram convidados 4 artistas – Catarina Botelho, Fábio Cunha, Joshua Phillips e Róisín White – a reler a região e a redescobrir este território.

Baudelaire define o flâneur como “alguém que anda pela cidade com o objetivo de experimentá-la”. Walter Benjamin descreve o flâneur como um produto da vida moderna, um botânico do asfalto e a cidade como um autêntico chão sagrado da flânerie. Desde então, o conceito de flâneur tem sido utilizado como instrumento para compreender os fenómenos urbanos e a modernidade em termos culturais, económicos e sociais.

Exposição datas e locais

Leiria – 9 abril a 1 maio, Largo Papa Paulo VI

Bombarral – 7 a 29 maio, Praça do Município

Lourinhã – 4 a 26 junho, Praça José Máximo da Costa

Torres Vedras (Santa Cruz) – 2 a 24 julho, Largo Jaime Baptista da Costa

     Sobre a Procur.Arte

A Procur.arte é uma associação cultural que, desde 2005, concebe, produz, promove e dinamiza atividades e projetos no domínio das Artes do Espetáculo e Artes Visuais.

A sua atuação centra-se na criação de projetos, espetáculos e exposições que suscitem uma reflexão crítica e contemporânea sobre a sociedade, assim como no desenvolvimento de estratégias e ferramentas que permitam o estabelecimento de plataformas de comunicação entre agentes culturais, nacionais e internacionais (europeus e lusófonos), promovendo o trabalho em rede, o diálogo intercultural e promoção de criadores emergentes.

Os projetos da Procur.arte têm uma abordagem descentralizada e acontecem a nível local (Lisboa), regional (Algarve, Centro, Oeste, Douro e Trás-os-Montes) e internacional (Europa).

Nos últimos anos a associação liderado projetos europeus de grande dimensão na área da fotografia contemporânea, dos quais se destacam:

Flâneur New Urban Narratives – projeto em rede que teve a sua primeira edição entre 2015 e 2017.

Envolveu 20 entidades de 11 países que acolheram artistas em residência e expuseram os seus trabalhos nas ruas e praças das cidades parceiras. O conceito do projeto fundamenta-se num princípio de intervenção artística no espaço público tendo por base a fotografia contemporânea. Desafia artistas a produzirem novas leituras sobre o território urbano tendo como ponto de partida o conceito de flâneur e como contexto físico a cidade enquanto caleidoscópio social em constante mutação.

PARALLEL – uma plataforma que congrega agentes culturais interessados em promover cruzamentos culturais e fomentar a produção de novos conteúdos, com o objetivo de criar novos padrões artísticos e organizacionais no meio da fotografia contemporânea. Da rede fazem parte museus, galerias, associações culturais, festivais, escolas de arte e editores que participam selecionando e acolhendo os artistas e curadores emergentes, organizando exposições e estruturando redes de contacto.

Entre outros, estes projetos contaram com o apoio do programa Europa Criativa, da UNESCO, da DGARTES/Ministério da Cultura e de autarquias parceiras, como a CM Lisboa.

Flâneur ao Centro conjuga o conceito artístico anteriormente ensaiado a nível europeu assim como integra alguns artistas que participaram na plataforma PARALLEL.

     Fonte: CL|GCI|CML

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.