Edição: 264

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/11/30

Com curadoria do pianista Daniel Bernardes

Cidade Criativa da Música ganha programação nova e quer potenciar talento local

Daniel Bernardes

Foi apresentado esta sexta-feira, dia 25 de março, o programa cultural da Leiria Cidade Criativa da Música (LCCM) para 2022, um conjunto de iniciativas que procura ser eclético, abrangente e inclusivo e que tem a curadoria do pianista Daniel Bernardes.

Para Anabela Graça, vereadora da Cultura da Câmara Municipal, “2022 é o ano para recomeçar e de afirmação criativa no concelho”, com uma programação “que chegue a todos” e com a aposta em artistas locais e em curadorias, através da especialização da oferta.

“Vamos conseguir aprofundar, alargar horizontes e diversificar com os diferentes parceiros”, adiantou a autarca, em conferência de imprensa, para quem o projeto se destacará pela relação próxima com o associativismo e com as escolas, sendo que “Daniel Bernardes vai refrescar o ambiente musical de Leiria”.

Natural de Alcobaça e com fortes ligações à nossa cidade, o pianista disponibilizou-se para fazer um diagnóstico do panorama musical concelhio e desenvolver a atividade da LCCM, tendo apresentado os eventos já previstos para este ano, que têm como grande objetivo “prestigiar o nome de Leiria”.

Para além da abrangência e do ecletismo, Daniel Bernardes apresentou como metas o estabelecimento de parcerias com outras Cidades Criativas da Música, a inclusão social e a igualdade de género, bem como a formação e a capacitação artística e administrativa.

O contacto com as escolas é outra das ambições, que visa perceber e conhecer o potencial dos artistas mais jovens e apostar na sua internacionalização, juntando-se o relacionamento com outras artes, incluindo a olaria, que irá fazer parte das atividades de promoção da sustentabilidade ambiental.

O pianista destacou ainda o objetivo de desenvolver, através do diálogo com os setores público e privado, projetos criativos, “que façam as pessoas sonhar”, e que sejam fator de descentralização atraindo públicos de todo o país.

Para Daniel Bernardes, a curadoria da LCCM é um “desafio diferente, um estímulo para sair fora da caixa” e, tendo encontrado “muito potencial e vontade de o aumentar”, “perceber a realidade do concelho e a visão do que acontece em Leiria é muito refrescante”.

De acordo com Anabela Graça, a entrega da programação de alguns dos espaços culturais a especialistas faz parte do Plano Estratégico Municipal da Cultura, aprovado em junho do ano passado, e, para além de Daniel Bernardes, inclui ainda a colaboração de Gui Garrido no Castelo, de Adélio Amaro no Agromuseu Municipal Dona Julinha e de Bruno Carnide e Cátia Biscaia no m|i|mo – museu da imagem em movimento.

     Fonte: GRPG|CML

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.