Edição: 258

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/5/19

Instituição cumpre a norma da DGS n.º 004/2020 atualizada a 21 de abril de 2022

Centro Hospitalar de Leiria fecha áreas dedicadas a doentes com suspeita de Infeção Respiratória

Hospital de Santo André

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) vai encerrar as Áreas Dedicadas a Doentes com suspeita de Infeção Respiratória Aguda (ADR), assim como as áreas dedicadas Covid-19 nos internamentos, com exceção no Bloco de Partos e no Serviço de Medicina Intensiva, e adaptar os circuitos e medidas de prevenção e controlo de infeção nos Serviços de Urgência e internamento hospitalar. Esta deliberação do Conselho de Administração cumpre a norma da Direção-Geral de Saúde n.º 004/2020 atualizada a 21 de abril de 2022.

A Área Dedicada a Doentes com suspeita de Infeção Respiratória Aguda do Serviço de Urgência Geral (SUG) encerra às 8h00 do dia 10 de maio, passando a vigorar o circuito interno de encaminhamento do doente respiratório no SUG. O Serviço de Urgência Pediátrica deixa de ter uma área destinada aos doentes com suspeita ou confirmação de Covid-19 (sala de espera e observação), mantendo as medidas de prevenção e controlo de infeção, e reservando uma área para realização dos testes adequados para Covid-19. No internamento do Serviço de Pediatria é garantido o isolamento de gotículas ou de via aérea, conforme a necessidade.

De acordo com as orientações do Grupo Coordenador Local do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência ao Antimicrobianos (GCL-PPCIRA) do CHL, as três unidades hospitalares devem garantir que o internamento dos utentes com suspeita ou confirmação de infeção por SARS-CoV-2 ocorra em segurança, com a implementação de medidas de prevenção e controlo de infeção, com a utilização de equipamentos de proteção individual adequados pelos profissionais de saúde, higiene das mãos e uso de máscara cirúrgica por todos os utentes.

Os cuidados aos doentes com infeção por SARS-CoV-2 que necessitam de internamento serão assumidos pelos serviços de cada especialidade, tendo em consideração que nos doentes que não necessitem ou não se preveja a necessidade de procedimentos geradores de aerossóis, o internamento deve ser efetuado com medidas de isolamento de gotículas e de contacto, em quartos ou coortes específicos.

Por sua vez, nos doentes que necessitem ou se preveja a necessidade de procedimentos geradores de aerossóis, o internamento deve ser efetuado com medidas de isolamento da via área e de contacto, em quartos ou coortes específicos (quartos de pressão negativa, por exemplo).

Por fim, os doentes que necessitem de cuidados muito diferenciados, devem ser internados em zonas dedicadas destas unidades (como o Serviço de Medicina Intensiva, Unidade de AVC ou Unidade de Neurocríticos), para garantir em simultâneo a adequação prestação de cuidados de saúde diferenciados e das medidas de prevenção e controlo de infeção.

     Fonte: Midlandcom

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.