Edição: 259

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/6/27

Na categoria Espaços Públicos

Reabilitação do Castelo de Leiria vence Prémio Reabilitação Urbana no Salão do Imobiliário de Portugal

Entrada para as Cisternas Medievais do Castelo de Leiria

O projeto para a Reabilitação do Núcleo Amuralhado do Castelo de Leiria conquistou o Prémio Reabilitação Urbana, na categoria Espaços Públicos, na edição dos Prémios SIL do Imobiliário 2022, organizados pela Fundação AIP – Associação Industrial Portuguesa -, através da Lisboa – Feiras, Congressos e Eventos.

A cerimónia de entrega decorreu quinta-feira, dia 12 de maio, na FIL, que recebe o Salão Imobiliário de Portugal, tendo o prémio sido atribuído a uma intervenção que inclui os projetos de arranjos exteriores, e os projetos de reabilitação da Casa do Guarda, Cisternas Medievais e Igreja de Nossa Senhora da Pena, coordenados pelos arquitetos Nuno Santos Pinheiro e Vasco Maria Santos Pinheiro (Santos Pinheiro Arquitetos Associados).

Para Gonçalo Lopes, presidente da Câmara Municipal de Leiria, a atribuição deste prémio valida a qualidade da intervenção efetuada naquele espaço e vem valorizar ainda mais o Castelo de Leiria, que se assume como uma das principais âncoras de atração turística da região.

“Acreditamos que este prémio vai conferir ainda maior visibilidade ao excelente trabalho de reabilitação efetuado no nosso monumento e contribuir para a atração de turistas e dinamização da economia local”, destaca Gonçalo Lopes, realçando que desde a sua abertura, dia 22 de maio de 2021, o castelo já recebeu mais de 120 mil visitantes, número muito acima do registado nos últimos anos.

O motivo da candidatura e a razão da atribuição deste prémio resultou do facto de o projeto premiado ter tido como objetivo primordial proteger, conservar, e recuperar a integridade física, bem como revitalizar os valores arqueológicos, históricos, arquitetónicos, estéticos e urbanísticos do Castelo de Leiria.

Neste processo, foram respeitados os princípios vigentes na conservação do património, nomeadamente a utilização de materiais reversíveis e compatíveis, e o recurso a técnicas diferenciadas para a identificação da intervenção.

Para além de se ter contribuído para a criação de um ambiente que transporta o visitante e utilizador para a beleza de um castelo de origem medieval, procurou-se também dar resposta às comodidades exigidas na atualidade, oferecendo não apenas conforto e qualidade, mas tornando o castelo mais acessível e inclusivo, para fruição de todos.

A obra, concluída em maio de 2021, foi realizada pela empresa AOF – Augusto Oliveira Ferreira, foi fiscalizada pela empresa Rioboco e teve o acompanhamento permanente da Direção Regional de Cultura do Centro.

Recorde-se que a intervenção do castelo contemplou a reabilitação do núcleo amuralhado, nomeadamente a Casa da Guarda, as cisternas, tornando visitável o seu interior, e a Igreja de Santa Maria da Pena, alvo de diversos trabalhos de conservação e restauro, incluindo colocação de cobertura e vãos ou arranjos no adro e no acesso à Torre Sineira.

Monumento nacional desde 1910, o castelo passou a ter um anfiteatro em pedra, para eventos ao ar livre, os caminhos foram nivelados e calcetados, e introduziram-se zonas de descanso. Foram igualmente substituídas espécies vegetais degradadas por autóctones.

Foram também construídos acessos mecânicos ao monumento, dois elevadores verticais no lado sul e um elevador em carril no lado norte. Atualmente encontra-se em curso uma intervenção no Largo de S. Pedro.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.