Edição: 261

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/8/19

Com mostra de escultura do ex-ministro Luís Amado e pintura de Marta de Castro

Ministra da Coesão Territorial inaugura Central das Artes em Porto de Mós

Jorge Vala na cerimónia de inauguração da Central das artes

A Central das Artes de Porto de Mós foi inaugurada este sábado, dia 25 de junho, pela ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, no primeiro dia das Festas de São Pedro. O novo espaço cultural resulta da requalificação da antiga Central Termoelétrica de Porto de Mós, construída nos anos 30 para levar a eletricidade à vila e que agora terá um novo destino, um edifício multifuncional à Cultura. A primeira exposição – de grande qualidade, sublinhe-se – é da autoria do ex-ministro Luís Amado (escultura), natural do concelho, e da sua mulher, a artista madeirense Marta de Castro (pintura).

A central era abastecida pela Empresa Mineira do Lena com carvão extraído no concelho e estava desativada há mais de meio século. A primeira pedra foi lançada em 2016, ainda pelo anterior executivo, e é concluída agora, depois de um investimento de cerca de três milhões de euros, com apoio de fundos europeus.

Estiveram presentes também o presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, Jorge Vala, a presidente da Assembleia Municipal, Clarisse Louro, a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro, Isabel Damasceno, o presidente do Instituto Politécnico de Leiria, Nuno Mangas, o presidente do COMPETE, Nuno Mangas, o presidente do Centro Regional de Segurança Social de Leiria, João Paulo Pedrosa, a deputada Olga Silvestre, o presidente da Nerlei, António Poças, o presidente da ACILIS, Lino Ferreira, além dos artistas Luís Amado e Marta de Castro.

Ministro Ana Abrunhosa junto ao primeiro automóvel criado em Portugal, um protótipo do qual foram construídos 3 exemplares

Na ocasião, Jorge Vala recordou as ferramentas de apoio empresarial já existentes no concelho, como as áreas de Localização Empresarial, a Incubadora de Empresas, o FABLAB – laboratório de prototipagem e fabricação digital, bem como a colaboração permanente com o Politécnico de Leiria e com o setor da pedra, barro e calcário.

O autarca destacou ainda os múltiplos setores empresariais instalados no concelho, desde a indústria extrativa e de recursos naturais, moldes, metalomecânica, plásticos que se traduz num concelho sem desemprego e até com carência de mão de obra, e uma balança comercial positiva, exportando mais do que importa.

Por sua vez, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, congratulou-se por o projeto ter atravessado executivos municipais com cores políticas diferentes, tendo sido planeado pelo executivo socialista de João Salgueiro, também presente nesta inauguração, e concluído pelo executivo social-democrata de Jorge Vala. Ana Abrunhosa considerou esta transição de projetos um exemplo por não ter havido a tentação de desistir do projeto, como acontece noutros municípios do País.

Público presente nos Prémios D. Fuas

De seguida teve lugar a entrega dos Prémios D. Fuas, sendo o troféu deste ano, em basalto negro, concebido pelo artista portomosense David Vazão. O Prémio D. Fuas surge, com o objetivo de distinguir, estimular e reconhecer o mérito pessoal e as iniciativas empresariais e/ou institucionais potencialmente geradoras de riqueza que contribuam para a resolução de problemas sociais e económicos, e ao mesmo tempo para uma sociedade mais dinâmica.

Os troféus são entregues a uma empresa/instituição distinguida na categoria de responsabilidade social; personalidade considerada relevante pela Carreira; empresa com maior volume de exportações reconhecidas pela AICEP; empresas reconhecidas pelo IAPMEI, com o estatuto de PME Líder e PME Excelência.

Ao fim da tarde, foram inauguradas as tradicionais Festas de São Pedro, com artesanato, gastronomia, divertimentos, além de um vasto programa de animação diário. São cabeças de cartaz Luís Trigacheiro (26 de junho), Rosinha (27), Nuno Ribeiro (29), Quinta do Bill (30), Sara Correia (2 de julho) e Diogo Piçarra (3 de julho).

   Mário Lopes 

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.