Edição: 261

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/8/13

Teatro-Cine de Torres Vedras vai receber 400.000 euros/ano para programação

Ministro da Cultura presente em Torres Vedras na primeira conferência da rede de teatros e cineteatros portugueses

Primeira conferência da Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses decorreu no Teatro-Cine de Torres Vedras

A primeira conferência da Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses decorreu no Teatro-Cine de Torres Vedras, no dia 19 de julho. A sessão de abertura contou com a presença do ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, e da presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Laura Rodrigues.

A presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras referiu que foi com orgulho que o Teatro-Cine de Torres Vedras se assumiu “como um dos primeiros equipamentos a integrar a Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses, o que nos possibilitou apresentar uma candidatura ao Concurso de Apoio à Programação dos Equipamentos Culturais” promovido por esta rede. Este contrato de apoio irá traduzir-se num investimento de 400.000 euros/ano em programação no Teatro-Cine de Torres Vedras.

O ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, afirmou que “apoiar a programação confere estabilidade e previsibilidade” aos agentes culturais, contribuindo para a sua autonomia e para combater a precariedade entre os recursos humanos do setor. Pedro Adão e Silva referiu, ainda, que existe um problema no acesso à cultura em Portugal, por isso “ter uma programação em rede permite que os espetáculos circulem pelo País”.

Seguiu-se o primeiro painel da conferência, com o tema “Atuar em rede”, que se dedicou ao debate sobre o papel da rede como instrumento de descentralização e coesão territorial e social, de estímulo à cocriação, cooperação e parceria.

“Território público” foi o tema abordado no segundo painel, que debateu sobre o potencial da rede no estímulo à criação local e regional, o papel das artes como serviço público na dinamização das regiões, as especificidades dos públicos no território e o envolvimento e participação comunitária.

O terceiro painel, sobre “Poder (en)cena”, abordou as  políticas culturais, o poder autárquico e a autonomia criativa, a criação e programação enquanto representação e produção de discursos, e o teatro enquanto agente de reflexão.

O último painel dedicou-se ao tema “Criar e Programar para Todos”, com um debate sobre os modelos de criação, programação e dinamização artística, a transversalidade da programação e oferta artística em resposta à heterogeneidade dos públicos, a criação e programação inclusivas, e a fidelização e mediação de públicos, boas práticas e aplicação na rede.

A conferência teve como principal objetivo debater o potencial da Rede para incrementar a procura e oferta culturais, reforçar a circulação de obras artísticas, fomentar a articulação programática entre equipamentos da Rede, envolver agentes culturais e artísticos locais, desenvolver estratégias de mediação e estimular boas práticas na transição digital, sustentabilidade ambiental, inclusão e acessibilidade física, social e intelectual.

A Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses é um instrumento estratégico fundamental para o combate às assimetrias regionais e para o fomento da coesão territorial no acesso à cultura e às artes em Portugal, assente na descentralização e na responsabilidade partilhada do Estado central com as autarquias e as entidades independentes. Cerca de 80 equipamentos culturais já aderiram à rede, entre auditórios municipais, casas de cultura, teatros e cineteatros, centros culturais e centros de artes. No primeiro concurso de apoio à programação dos teatros e cineteatros credenciados na rede foram abrangidos 39 projetos com um valor global de 5,1 milhões de euros de financiamento.

   Fonte: ACM|CMTV

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.