Edição: 263

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/10/5

Opinião

O que temos de mudar na abordagem do doente agudo ou agudizado em Portugal?

Dr.ª Maria da Luz Brazão

Apesar do mediatismo à volta dos serviços de urgência (SU) ser um fenómeno crescente desde o início do século XXI, já desde o século passado, mais propriamente a partir da década de 50, que muitos autores se dedicaram ao estudo de problemas à volta dos SU em todo o mundo, tendo desde então surgido na literatura vários artigos sobre esta temática.

Um facto curioso, sobre a revisão bibliográfica que fiz a propósito da minha tese de doutoramento, e que merece aqui ser salientado, é que a maioria desses artigos, faz referência ao fenómeno “sobrelotação”, como fator determinante da disfuncionalidade dos SU estudados.

Num inquérito feito há três anos a 11 hospitais do nosso país, aleatoriamente distribuídos de norte a sul, apurámos que, independentemente do tipo de equipas que lá trabalham, todos têm sobrelotação.

A sobrelotação dos SU é de facto um problema de âmbito mundial, sendo um tema complexo e desafiante, que assume particular importância, atendendo às consequências que lhes estão associadas. Para os profissionais de saúde (redução do nível de satisfação e da produtividade médica, problemas com a rotatividade de pessoal, burnout, falta de comunicação, erros de decisão e aumento do erro médico); para os próprios SU que se tornam disfuncionais (aumento do tempo de espera, atrasos na admissão hospitalar, aumento do tempo de internamento e da mortalidade global e a curto prazo), e para o doente, com redução da acessibilidade, da qualidade e mau prognóstico.

A causa da sobrelotação, é apontada pelos autores como sendo multifatorial, mas o problema reside essencialmente a montante, e a jusante.

Relativamente ao problema a montante, dados recentes mostram que em Portugal, desde 2013, ocorreram em média seis milhões de atendimentos de urgência hospitalar por ano, sendo que cerca de 45% destes episódios não são prioritários, segundo a triagem de Manchester, e que estes números têm tido uma tendência crescente, à exceção do ano de 2020.

Mas, outro fator que afeta a sobrelotação dos SU, apontado pelos autores, é a disponibilidade de camas de agudos no internamento, a qual depende não só do seu número físico, como também da sua gestão.

A gestão do acesso e dos percursos nos cuidados em doença aguda, ou agudizada, é um problema identificado há décadas em Portugal. As tentativas de resolução, abrindo serviços, e realocando os mesmos recursos existente, não têm sido eficazes, pois ao criarem mais oferta, geram maior procura, saturação dos serviços, e entrada num círculo vicioso de reforço contínuo e nunca suficiente.

É urgente pôr em marcha uma estratégia para a resolução deste problema, que tem de passar obrigatoriamente pela reestruturação dos serviços de saúde, hospitais e Cuidados de Saúde Primários (CSP), que permitam alternativas válidas ao recurso indiscriminado às urgências, atuando nos determinantes que a montante e a jusante condicionam a acessibilidade, e na adequação dos serviços oferecidos, numa perspetiva de investimento estratégico, promovendo a melhoria efetiva da qualidade dos serviços e da saúde dos portugueses.

A visão de futuro para os SU hospitalares tem de passar de uma visão centrada na hipertrofia dos SU, para uma visão integradora, focada na otimização da gestão e natural redução da procura de cuidados no SU.

    Maria da Luz Brazão
Coordenadora do Núcleo de Estudos de Urgência e do Doente Agudo da SPMI

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ainda não há comentários nenhuns.