Edição: 264

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/11/27

Em Concavada, concelho de Abrantes

125 anos do nascimento do escritor António Botto comemorados na aldeia em que nasceu

Cerimónia que assinalou o nascimento do poeta e escritor António Botto

O nascimento do poeta e escritor António Botto foi assinalado no dia 17 de agosto, em Concavada, no concelho de Abrantes, aldeia onde nasceu há 125 anos. No âmbito do projeto “Caminhos Literários” foi inaugurado um mural com a imagem do poeta, da autoria do artista de arte urbana João Samina.

Numa cerimónia com a “figura” de António Botto a receber os muitos convidados ali presentes, Carlos Bernardo, responsável da empresa “O meu escritório é lá fora”, que tem participado na dinamização do projeto “Caminhos Literários”, começou por falar da “escolha desta forma de expressão artística para este momento, através da arte urbana de João Samina“, em que foram tidos em conta princípios artísticos e de valorização das paisagens. Referiu também que esta “é uma arte que consagra a democracia “, que “não está fechada num museu, está aberta e é de todos”.

Por sua vez, o presidente da Câmara, Manuel Jorge Valamatos, começou por lembrar que “hoje, comemoramos a obra e o legado de um homem muito à frente do seu tempo” e que “esta é também uma justa homenagem às gentes da Concavada, aos nossos poetas, aos nossos agentes culturais, às nossas associações e a toda a comunidade Abrantina. Um reconhecimento da nossa identidade que, a todo o tempo, o Município de Abrantes continuará a preservar, valorizar e promover junto da nossa comunidade e do público em geral.”

João Vaz e José Horta

Após a inauguração do mural, os presentes foram agraciados pelo concerto “José Horta canta poetas de Abrantes”, que contou com a participação de João Vaz. José Horta cantou músicas com letras de poetas abrantinos, como Francisco Lopes, José Alberto Marques, António Botto e Joaquina Tavares Varandas.

A iniciativa está integrada no projeto Caminhos Literários, que explora os lugares ligados a “Botto, Camões, Gil Vicente e outros que por cá passaram “, nos concelhos de Abrantes, Constância e Sardoal, pretendendo afirmar a construção de um território literário entre os Municípios envolvidos, em que a literatura é a alavanca para a descoberta de novas paisagens e para a definição de produtos turístico-culturais.

            Fonte: GV|DC|CMA

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.