Edição: 264

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/11/27

Situadas nas freguesias de Vale de Cavalos e Pinheiro Grande

Câmara da Chamusca e Associação Just a Change visitam habitações, de famílias carenciadas, em reabilitação

Obras executadas pelos voluntários

O Município da Chamusca e a associação sem fins lucrativos Just a Change, visitaram na terça-feira, dia 23 de agosto, as casas que estão a ser alvo de intervenção, no concelho da Chamusca, no âmbito do protocolo assinado entre as duas organizações e que visa a reconstrução de habitações de famílias mais desfavorecidas, que vivem em condições de precariedade habitacional.

A visita inserida na segunda fase do plano de ação, que teve início no dia 14 de agosto e que se prolonga até ao dia 28, contempla a intervenção de um total de três habitações, situadas nas freguesias de Vale de Cavalos e Pinheiro Grande.

A associação Just a Change aproveitou a ocasião para apresentar o projeto às autarquias do distrito de Santarém, presentes na visita, no sentido de dar a conhecer as vantagens deste género de protocolos para as autarquias e principalmente para as famílias beneficiadas, que vêm as suas casas reabilitadas e as suas vidas reconstruídas.

Paulo Queimado, presidente da Câmara Municipal da Chamusca realça a importância da assinatura destes protocolos “que permitem fazer intervenções em habitações de famílias mais desfavorecidas às quais os municípios não conseguem responder de outra forma, seja pelos procedimentos administrativos ou por outras razões burocráticas, uma vez que estamos a falar de propriedade privada”. Paulo Queimado, referiu ainda que “com esta parceria, conseguimos resolver problemas concretos dos nossos concidadãos, garantindo-lhes as condições mínimas de habitabilidade”, acrescentando que os serviços da autarquia acompanham todos os projetos no sentido de garantir a legalidade de todas as intervenções.

A ação contou com a presença de Paulo Queimado, Cláudia Moreira, Rui Ferreira e Gisela Matias, respetivamente presidente, vice-presidente e vereadores da Câmara Municipal da Chamusca, de Simão Oom e Guilherme Fogaça, respetivamente diretor executivo e diretor de operações da Just a Change, assim como de António Camilo, presidente da Câmara Municipal da Golegã, Helena Roxo, vice-presidente da Câmara Municipal de Constância, António Maximiano, vereador da Câmara Municipal de Almeirim e Zélia Espadinha, chefe de divisão, do gabinete da Ação Social da Câmara Municipal de Torres Novas.

Grupos de voluntários com membros da autarquia e da associação Just a Change

O plano de intervenção no concelho da Chamusca tem a duração total de um mês, está a ser desenvolvido por cerca de 30 voluntários e contempla a reconstrução de oito habitações do território chamusquense, num investimento total de 90.486,29€. O plano de ação está dividido em dois campus distintos, o primeiro já se encontra concluído, tendo decorrido entre os dias 3 e 17 de julho, nas freguesias do Chouto, Semideiro, Gaviãozinho e Chamusca e o segundo encontra-se a decorrer atualmente nas freguesias supramencionadas.

Recorde-se que os beneficiários do projeto, identificados pelo Município da Chamusca em articulação com as Juntas de Freguesia e as Instituições Locais, que direta ou indiretamente trabalham com os destinatários do programa, são famílias carenciadas do Concelho da Chamusca, que vivem em condições de precariedade habitacional.

Na seleção dos agregados familiares a apoiar tiveram prioridade os que se encontravam social e economicamente mais desfavorecidos, e em condições de habitação mais degradadas. Dos trabalhos de intervenção destaca-se a substituição ou reconstrução de telhados, reparação de pavimentos, reparação de paredes interiores e exteriores e pintura integral das mesmas, reparação do circuito elétrico, revisão da canalização e do sistema de aquecimento, substituição de portas, reparação de fissuras estruturais nas paredes, ligação à rede de água e eletricidade, ligação aos esgotos ou recolha de entulho.

As intervenções operadas pela Just a Change são levadas a cabo por centenas de voluntários, que reabilitam cerca de 60 de casas por ano, tornando-as em lugares dignos de serem vividos com alegria e esperança.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.