Edição: 264

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/11/27

CRID participa na primeira edição do festival de divulgação de literatura acessível

Politécnico de Leiria marca presença no Festival Internacional Literário de Gramado no Brasil

Intervenção de Célia Sousa

O CRID – Centro de Recursos para a Inclusão Digital, da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) do Politécnico de Leiria, marcou presença na primeira edição do FiliGram – Festival Internacional Literário de Gramado, no estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, que decorre até 11 de setembro, sendo um dos seus principais objetivos a divulgação da literatura acessível e da acessibilidade no seu conceito global. A Câmara Municipal de Óbidos também esteve representada neste festival, organizado pela prefeitura de Gramado, dado que este ano foi firmada uma parceria entre o FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos e o FiliGram, em prol da literatura.

«O CRID foi convidado a estar presente, sobretudo pelo trabalho que temos desenvolvido no âmbito da literatura acessível. É para mim um enorme orgulho poder ser uma “embaixadora” desta área, em especial, além-fronteiras, não esquecendo que é um tema pertinente e que assume, cada vez mais, uma grande relevância na vida de muitas pessoas», destaca Célia Sousa, coordenadora do CRID.

Célia Sousa foi uma das oradoras nos diferentes painéis temáticos que decorreram entre os dias 4 e 7 de setembro, onde foram debatidos os seguintes temas: “Inclusão e Equidade, vetores para literatura acessível”, “Vamos ler todos juntos?”, “Como tornar a literatura e os eventos culturais mais acessíveis?” e “Acessibilidade desde a Infância”.

A coordenadora do CRID participa ainda na Feira do Livro Flipoços, em Poços de Caldas, no Brasil, hoje, dia 9 de setembro, onde intervém na denominada Mesa Cidades Criativas da Literatura, para falar da temática “A importância do selo internacional para Poços de Caldas e todo o território literário sul-mineiro”. Neste debate estarão também presentes os vereadores Ana Margarida Reis e Telmo Sousa Félix, da Câmara Municipal de Óbidos, a primeira e única cidade em língua portuguesa a fazer parte da Rede Internacional das Cidades Criativas da Literatura da Unesco.

CRID do Politécnico de Leiria é considerado uma referência internacional na área da inclusão

Em solo nacional, o CRID participa ainda nas Feiras do Livro de Lisboa e do Porto até dia 11 de setembro, com os seus livros multiformato, disponíveis no stand da ACAPO. «O livro multiformato tem na sua génese o conceito de livro para todos, e reúne, num único exemplar, texto aumentado para crianças com baixa visão, braille para crianças cegas, pictogramas para crianças com incapacidade intelectual ou limitações de outra natureza, um código Quick Response (QR) que remete para as versões: eBook, audiolivro, para crianças cegas, e vídeolivro em Língua Gestual Portuguesa, para crianças surdas», explica Célia Sousa.

Este convite de participação do CRID pela ACAPO cumpre um dos seus objetivos, com o projeto “Ler é um ato democrático”, cofinanciado pelo Instituto Nacional para a Reabilitação, e que consiste na divulgação do sistema de leitura e escrita braille, e o direito de acesso das pessoas com deficiência visual ao livro.

O CRID do Politécnico de Leiria é considerado uma referência internacional na área da inclusão, detendo um know-how único e tendo trabalho feito a favor da sociedade, que é possível encontrar em poucos locais no mundo. Premiado nacional e internacionalmente, contribui ativamente para sagrar Leiria como a cidade mais inclusiva do País: criou a primeira biblioteca braille no ensino superior do país, adapta regularmente obras literárias para braille, criou o primeiro guião multiformato a nível mundial (para o Mosteiro da Batalha). Dotou todos os espaços de restauração da Praça Rodrigues Lobo, espaço histórico emblemático de Leiria, com ementas multiformato, e desenvolveu os folhetos inclusivos do Itinerário Jubilar de Fátima em 2017, trabalho reconhecido pelo Papa Francisco através de uma carta de agradecimento, pelo trabalho desenvolvido em prol das Pessoas com Deficiência.

Editou e coeditou livros infantis inclusivos, colmatando uma lacuna grave em Portugal de oferta de livros para crianças com necessidades específicas, como por exemplo “A Rainha das Rosas”, livro multiformato, que permite a leitura de todas as crianças: cegas, surdas, com incapacidade intelectual, e claro, sem deficiência, que recebeu em 2018 o Prémio Acesso Cultura. Lançou em 2007 uma iniciativa pioneira de recolha de brinquedos para adaptação e entrega a crianças com necessidades especiais, a campanha “Mil Brinquedos, Mil Sorrisos”, que já entregou 5.000 brinquedos, a 231 instituições de quatro continentes, e que neste momento está a ser replicada no Brasil.

    Fonte: Midlandcom

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.