Edição: 284

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/7/18

Novo relatório Headway destaca os fatores ambientais da saúde mental

Mudanças climáticas podem levar a uma nova onda de problemas de saúde mental nos próximos meses

O conflito na Ucrânia e o impacto das mudanças climáticas parecem estar entre os principais fatores que causam uma onda crescente de distúrbios de saúde mental na Europa, de acordo com as conclusões do último relatório Headway: A new roadmap in Mental Health. O relatório foi apresentado no final de setembro pela The European House – Ambrosetti, um Think Tank italiano, juntamente com a Angelini Pharma, empresa farmacêutica internacional que faz parte da empresa Angelini Industries.

Principais conclusões do Relatório Headway 

Estima-se que 22,1% das pessoas sofrem de um transtorno mental em ambientes de conflito – 1/3 dos refugiados ucranianos podem desenvolver depressão, transtornos de ansiedade ou transtorno de stress pós-traumático (TSPT)

Os efeitos diretos e indiretos das mudanças climáticas na saúde mental atingem sobretudo os mais vulneráveis ​​e podem incluir sofrimento psicológico, maior mortalidade e aumento das taxas de suicídio

Na Europa, o custo total relacionado com a doença mental chega a mais de 600 biliões de euros (4% do PIB total da UE)

Espera-se que os transtornos de saúde mental sejam responsáveis ​​por mais de metade da carga económica global devido a doenças não transmissíveis até 2030

Continuando uma tendência já evidente nos resultados de 2021, os países do norte da Europa geralmente têm melhor pontuação no Índice, enquanto a Roménia, Bulgária e Eslováquia estão entre os países com pontuações mais baixas

Resumo do relatório

O relatório, que compara a saúde mental de 28 países europeus, usando 55 indicadores-chave de desempenho (KPIs), destaca diferenças acentuadas em relação ao estado da saúde mental e à forma como os países estão organizados para abordar problemas e apoiar as suas populações. Reforçando uma tendência já evidente nos resultados de 2021, os países do norte da Europa geralmente apresentam uma melhor pontuação no Índice, enquanto países como a Roménia, Bulgária e Eslováquia estão entre aqueles com pontuações geralmente mais baixas.

Pela primeira vez desde que a iniciativa Headway foi lançada em 2017, o Índice de Saúde Mental analisa especificamente os fatores ambientais da saúde mental e, nesse sentido, destaca o forte impacto de variáveis como as mudanças climáticas, conflitos e migração. Os fatores ambientais são uma categoria recentemente enquadrada na saúde mental, que incorpora todas as condições externas que afetam a vida, o desenvolvimento e a sobrevivência das pessoas. A observação desses fatores ambientais com impacto na saúde mental mostra que Dinamarca, Finlândia, Suécia, Estónia e Irlanda estão comparativamente bem a esse respeito, enquanto os países do leste e do sul da Europa ainda têm um trabalho a fazer para abordar esses fatores da saúde, tendo a Roménia, Bulgária e a Grécia os fatores ambientais menos favoráveis.

“Este relatório redireciona a atenção internacional para a importância das influências ambientais na saúde mental, como mudanças climáticas, recessão económica ou crises geopolíticas como a guerra na Ucrânia”, afirma Pierluigi Antonelli, CEO da Angelini Pharma. “Os transtornos mentais continuam a causar um enorme peso social e económico às comunidades. As informações do Índice de Saúde Mental 2.0 mostram que até 2030 os transtornos de saúde mental serão responsáveis ​​por mais da metade da carga económica global devido a doenças não transmissíveis, e é por isso que precisamos de agir agora!”

Determinantes ambientais afetam os indivíduos de forma diferente

Embora a mudança climática tenha sido documentada por impactar os resultados de saúde mental de forma semelhante em diferentes populações, o Índice revela que afetará os indivíduos de forma diferente. Espera-se que os jovens, bem como aqueles que vivem com vulnerabilidades pré-existentes, deficiências cognitivas/de mobilidade ou aqueles que vivem na pobreza, sejam os mais afetados. O Índice descreve os impactos para incluir aumento da mortalidade, comportamentos impulsivos e agressivos e taxas mais altas de suicídio. Revela ainda que fatores anteriormente pouco discutidos, como o aumento médio mensal da temperatura de um grau, estão associados a um aumento de 0,48% nas visitas aos serviços de urgência de saúde mental e a um aumento de 0,35% nos suicídios.

Olhando para o impacto dos conflitos e da migração, o Índice revela ainda que cerca de 22,1% das pessoas experimentam um transtorno mental em ambientes de conflito (13% com formas leves de depressão, ansiedade e transtorno de stress pós-traumático – TSPT; 4% com formas mais moderadas; 5,1% com depressão e ansiedade graves, esquizofrenia e transtorno bipolar). Após o conflito, aproximadamente uma em cada cinco pessoas continua a lutar contra depressão, transtornos de ansiedade, transtorno de stress pós-traumático, transtorno bipolar e esquizofrenia. Com 27 conflitos em curso em todo o mundo e 68,6 milhões de pessoas deslocadas em todo o mundo, de acordo com as Nações Unidas, responder às necessidades de saúde mental das pessoas afetadas por conflitos e migrações é uma prioridade urgente.

Descobertas adicionais do relatório mostram o efeito contínuo da pandemia

A pandemia covid-19 levou a um agravamento sem precedentes da saúde mental, com condições como os transtornos de ansiedade e depressão a registarem um aumento em mais de 25% em todo o mundo. Conforme descrito no relatório, isso ocorre porque 19% dos doentes não conseguiram ter acesso aos serviços de saúde mental e 52% sofreram um agravamento da sua condição durante a pandemia. A pandemia também teve um impacto profundo naqueles que trabalham na área da saúde: um maior risco de infeção, mais horas de trabalho e um grande volume de doentes contribuíram para que os profissionais de saúde apresentassem níveis muito mais elevados de ansiedade (13% vs. 8,5%) e depressão (12,2% vs. 9,5%) do que em pessoas com outras profissões.

“Ainda há muito a ser feito para apoiar a saúde mental de doentes e profissionais de saúde após a pandemia covid-19”, defende Hilkka Kärkkäinen, presidente da GAMIAN Europe (associação que representa os interesses das pessoas com doença mental). “A saúde mental e a saúde física estão intrinsecamente ligadas e tendo a covid-19 mudado a forma como vemos e acedemos aos cuidados de saúde, tornou-se uma prioridade que o apoio à saúde mental seja igual ao que é dado à saúde física.”

Grandes diferenças na forma como os países estão preparados para melhorar ou manter a saúde mental

O Índice descreve ainda as principais capacidades dos sistemas de saúde para melhorar ou manter os resultados de saúde mental no futuro. Embora os dados ainda revelem uma diferença significativa nas estratégias, políticas e legislação relativas à saúde mental e haja variações acentuadas nos gastos com saúde entre os países europeus (por exemplo, França 14,5% vs. Luxemburgo 1%), estão a ser feitos avanços com o aumento do seguimento em ambulatório dos problemas de saúde mental de 3,9 a 9,1 por 1.000.000 habitantes.

“O Headway Mental Health Index monitoriza diferentes aspetos da saúde mental, fornecendo uma ferramenta abrangente e dinâmica para a monitorização e planeamento de políticas de saúde, bem-estar, educação e meio ambiente em Saúde Mental em todos os países europeus”, disse Daniela Bianco, sócia e Diretora da Área de Cuidados de Saúde da The European House – Ambrosetti, “Pode ser considerado como uma bússola para quem cria políticas para responderem e enfrentarem os desafios de hoje e de amanhã, melhorando o apoio à saúde mental para os indivíduos e suas famílias, a fim de garantir bem-estar, inclusão, coesão social, sustentabilidade e o crescimento das nossas sociedades”.

Melhor apoio nos locais de trabalho, escolas e sociedade em geral

Um aspeto final do Índice diz respeito à capacidade de resposta dos estados membros às necessidades das pessoas com transtornos de saúde mental nos locais de trabalho, escolas e sociedade. Os transtornos de saúde mental afetam aproximadamente 20% da população em idade ativa com a taxa de desemprego para pessoas afetadas por uma condição de saúde mental 7,7% maior do que para aqueles sem a mesma condição. O custo geral relacionado com a doença mental na Europa equivale a 4% do PIB europeu total (mais de 600 bilhões de euros), que pode ter aumentado ainda mais desde o surto de covid-19. Como nota positiva, mais de 45% dos países europeus já implementaram programas de prevenção e promoção da saúde mental relacionados com o trabalho e 68% dos países europeus implementaram uma estratégia ou programa nacional com foco na promoção e prevenção da saúde mental para crianças e adolescentes.

“Na era da incerteza em que vivemos, os jovens estão cada vez mais expostos a medos e preocupações, muitas vezes com consequências negativas na sua saúde mental. Basta dizer que uma pessoa nascida no início dos anos 2000 já passou por uma grande recessão e as respetivas subsequentes medidas de austeridade, uma pandemia global, conflitos geopolíticos, uma crise de custo de vida e um mundo a adaptar-se à magnitude das mudanças climáticas e degradação ambiental. Para garantir um futuro saudável para a parte mais jovem da população europeia, uma Estratégia de Saúde Mental da União Europeia deve envolver todos os atores e setores relevantes. Esta abordagem multifacetada não só seria mais eficaz, como também mais inclusiva e chegaria aos grupos de jovens mais vulneráveis ​​ou marginalizados”, refere o deputado Brando Benifei, membro da MEP Mental Health Alliance.

Para saber mais sobre o Headway: A new roadmap in Mental Health ou para aceder ao relatório completo, visite: https://eventi.ambrosetti.eu/headway/

Fonte: hkstrategies.com

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.