Edição: 265

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/12/4

Ourém

Jornadas da Comarca de Santarém recordaram julgamento mediático sobre o atentado contra o Papa João Paulo II

Luís Miguel Caldas, Luís Miguel Albuquerque, Catarina Sarmento e Castro, Henrique Araújo e José Sousa Lameira

O Teatro Municipal de Ourém acolheu, na manhã de 4 de novembro, as II Jornadas de Direito Criminal da Comarca de Santarém, iniciativa que juntou em Ourém, alguns dos protagonistas do julgamento da tentativa de atentado contra o Papa João Paulo II em Fátima, em Maio de 1982.

Esta 2ª edição das Jornadas teve como objetivo, assinalar o grande simbolismo histórico deste mediático processo, tendo contado com a presença, e depoimentos, do coletivo de juízes que, em 02 de maio de 1983, condenou o Padre Juan Krohn a uma pena única de sete anos de prisão pelos crimes de homicídio qualificado, na forma tentada, e de detenção e uso de arma proibida, acrescida da condenação por injúrias ao tribunal.

A sessão levou os participantes a reviverem o julgamento, que decorreu no Tribunal de Ourém entre 20 de outubro de 1982 e 02 de maio de 1983, de Juan Krohn, o padre integralista que, em 12 de maio de 1982, foi detido por tentar aproximar-se do Papa João Paulo II com um sabre, confessando ser sua intenção atentar conta a vida do Papa.

A abertura desta iniciativa esteve a cargo do presidente da Câmara Municipal de Ourém, Luís Miguel Albuquerque, do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Juiz Conselheiro, Henrique Araújo e do presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Santarém, Juiz de Direito, Luís Miguel Caldas.

O Programa teve continuidade com a apresentação do caso, pela jornalista Rita Marrafa de Carvalho, contando ainda com vários debates de foro doutrinário, jurídico e histórico, ao longo de toda a manhã.

A sessão de encerramento contou com as intervenções da ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, e do vice-presidente do Conselho Superior da Magistratura, José Sousa Lameira.

As II Jornadas de Direito Criminal da Comarca de Santarém tiveram um segundo momento, à tarde, com a inauguração da exposição “40 anos do processo-crime do atentado de 12 de maio de 1982 contra o Papa João Pulo II”, patente no Castelo de Ourém, e que contará com a exibição de vários objetos marcantes deste acontecimento, entre os quais o sabre usado por Juan Krohn.

Exposição recorda atentado de 1982 contra o Papa João Paulo II

Visita à exposição

O Castelo de Ourém acolheu, na tarde de 4 de novembro, a inauguração da exposição “40 anos do processo-crime do atentado de 12 de maio de 1982 contra o Papa João Paulo II”, alusiva ao mediático processo judicial e à tentativa de atentado contra o Papa João Paulo II, em Fátima, em Maio de 1982.

Inserida no programa das II Jornadas de Direito Criminal da Comarca de Santarém, a inauguração iniciou com um momento musical por parte da Ourearte, tendo contado com a presença do presidente da Câmara Municipal de Ourém, Luís Miguel Albuquerque, da vereadora Isabel Costa, da ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro e do presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Santarém, Juiz de Direito, Luís Miguel Caldas, entre as várias entidades presentes.

Esta mostra exibe vários objetos marcantes deste processo de inestimável interesse, entre os quais o sabre e o passaporte de Juan Krohn e o Processo de Querela original.

A exposição pretende ilustrar a visita do Papa João Paulo II, a consequente tentativa de atentado de 1982 e o desenrolar de todo o processo judicial, abordando a cobertura noticiosa efetuada na época e encontra-se patente no Castelo de Ourém para visitação gratuita.

    Fonte: HM|GIC|CMO

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.