Edição: 265

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/12/4

Fundador do partido quer 'soprar' CDS no Distrito

Horácio Moita Francisco candidata-se à Distrital de Leiria do CDS

Horácio Moita Francisco

Horácio Moita Francisco, viúvo, natural da Marinha Grande, ex-vereador da Câmara Municipal da Batalha, consultor de empresas aposentado, cofundador do CDS, homem de abril, neto de comunista, Manuel Francisco, o «terrível machadeiro» da Marinha Grande, quer «assoprar» o CDS no Distrito de Leiria a mil e tantos graus, com o mesmo fôlego com que começou com 11 anos, em relação ao vidro incandescente, durante 18 anos, na saudosa, Stephens (FEIS), na Marinha Grande e de onde saiu como vogal da administração em 1987.

Horácio Francisco define-se como um Democrata Cristão, um homem DALF ( direto, aberto, leal e frontal) , defensor da carta de princípios do partido apresentada em Julho de 1974, que andou lado a lado, com Adelino Amaro da Costa, fruto da sua vivência, tem a noção e o conhecimento da realidade do nosso Pais e de todo o Distrito, ao contrário de muitos outros dirigentes, que são agentes e políticos de gabinete, afirmando ser esta a «sua marca de diferença».

Razão pela qual afirma que o CDS, tem que ser forçosamente um partido de bases e não de cúpulas. Nesse sentido defende um associativismo partidário, de proximidade junto das populações/eleitores, que responda aos problemas nacionais e locais, bem como, o apoio direto às bases, visando para si o contacto e o diálogo permanente com o poder local e com as populações.

“Só Sentido o Distrito de Leiria no Coração e com uma política determinada de pensamento de reunificação e reestruturação, de que mudar é obrigatório e necessário, o CDS pode recuperar o seu espaço, no Distrito, porque, se não mudarmos, acabaremos mudados. Para além de tudo, estamos consciente não ser tarefa fácil, mas acreditamos, que juntamente com todos vós, vamos vencer, com espírito Unificador, Inovador e Reunificador, os nossos valores ancorados na nossa carta e princípios e da Democracia Cristão, pois como sabeis as nossas constantes preocupações, são as sociais, pois não somos liberais e muito menos populistas. Pois só assim, poderemos construir uma comunidade mais próxima, mais solidária, mais humanista, justa, mais fraterna, mais inovadora e mais empreendedora”, adianta.

Para Horácio Moita Francisco Termino, “a nossa equipa candidata à Distrital não é melhor nem pior, mas sim diferente e não quer continuar a assistir a estes tipos de demagogias, hipocrisias e inverdades, pois desejamos acabar com esta sujeira que infelizmente existe na política.”

O candidato cita a propósito o Papa Francisco, quando afirmou e questionou: ” Está muito suja, perguntou: está suja por quê?”. E respondeu com outra indagação: “Porque os cristãos não se meteram nela com espírito evangélico? “Envolvermo-nos na política é uma obrigação para um cristão, mas não falsos! Os cristãos, coerentes, dignos e sérios, não podem fazer como Pilatos e lavar as mãos, não podemos! Porque a política é uma das formas mais altas de caridade, em busca do bem comum.” O cristão deve, sim, intervir e agir construtivamente no sentido de ensejar a criação do mundo melhor ao qual façam jus a todos os habitantes do planeta.

O Manifesto Eleitoral de Horácio Francisco prioriza a estrutura e organização política, para preparar as eleições Autárquicas de 2025 porque “a hora é de ação.

Propostas de Organização Política

a) Incentivar a uma participação mais ativa de militantes e simpatizantes na acção, cívica, cidadania, social e política do Distrito.

b) Incentivar uma dinâmica de encontros/reuniões em todo o Distrito.

c) Constituição de grupos de trabalho, que inclua juventude que abranjam a nossa matriz e área de ação política democrata-cristã.

d) Definir um calendário de ações de formação, política, cívica, cidadania, autárquica e outras com incidência em todos os concelhos do Distrito.

e) Realizar jornadas em todos os concelhos com o objetivo de reunir militantes do CDS, simpatizantes, com vista a dinamizar as respetivas concelhias e revitalizar o partido.

f) Dinamizar e revitalizar, com dinâmica e ação a questão da política regional e local, ao nível cultural, educacional, social e económico e política.

g) Remodelar e aprofundar as plataformas de comunicação entre militantes e simpatizantes. Preparar um site do CDS do Distrito e definir objetivos da participação nas redes sociais.

h) Encontros Geracionais – aprofundar intensivamente os relacionamentos entre antigos e novos militantes.

i) Campanha “Dois companheiros mais” – incentivar a militância.

j) Aprofundar e incentivar o trabalho com todos os eleitos autárquicos, permitindo a partilha de experiências entre todos de forma regular.

k) Reforçar e apoiar o trabalho dos representantes do CDS, indicados pelas concelhias, nos vários órgãos distritais e nacionais.

l) Aprofundar e dinamizar a partilha de objetivos com a Juventude Centrista.

Preparar e fomentar no terreno os próximos atos eleitorais nomeadamente autárquicas.

a) Criar um gabinete de proximidade á sociedade civil, nomeadamente na coordenação, apoio, promoção e desenvolvimento nas áreas, económicas, sociais, culturais, educacionais, políticas, e gabinete autárquico, para se começar desde já a compilar e recolher opiniões para avaliar as nossas propostas, para os vários órgãos autárquicos do nosso Distrito.

b) Dinamizar e criar uma plataforma dinâmica de ação e de diálogo entre militantes e independentes que se revejam na Carta de Princípios do CDS, elaborada em 1974.

c) Reunir em todos os concelhos para avaliar o trabalho realizado e incentivar e dinamizar a recolha de contributos em cada concelho, para os programas eleitorais do CDS, a apresentar nas Eleições Autárquicas de 2025.

d) Construir, dinamizar, unificar, inovar, uniformizar, programas eleitorais para todos os concelhos e freguesias do nosso distrito, com slogans, como Sentir Leiria! com Ambição, Alma e Coração.

e) Começar a definir o perfil e estratégias para dos vários candidatos às eleições autárquicas – incentivando à participação de todos, militantes, pessoas independentes e simpatizantes, que se revejam e cumpram a nossa Carta de Princípios, no processo de constituição das equipas capazes, coerentes, determinadas, serias, com rigor, respeito e responsabilidade.

f) A campanha eleitoral autárquica do CDS, será definida em programa próprio e com uma participação abrangente de todos os que integrem as nossas candidaturas e com todos os apoiante e simpatizantes.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.