Edição: 265

Diretor: Mário Lopes

Data: 2022/12/4

Criação da UICD pretende facilitar o fluxo diário de doentes

Urgência Geral do CHL dispõe de Internamento de Curta Duração e médico intensivista 24h

Serviço de Urgência Geral do Hospital de Santo André

O Serviço de Urgência Geral (SUG) do Centro Hospitalar de Leiria (CHL) dispõe de uma Unidade de Internamento de Curta Duração (UICD) na área médica, que visa facilitar o fluxo de doentes com entrada no CHL através do SUG. O Serviço de Medicina Intensiva do CHL assegura ainda a presença de médico intensivista afeto à Sala de Emergência 24/24 horas, sete dias por semana.

«A UICD permite-nos agilizar os procedimentos dos doentes que recebemos, sendo mais rápida a identificação de doentes que devem ficar internados e possibilitando uma gestão mais adequada do fluxo diário do serviço até os doentes serem transferidos para a enfermaria ou terem alta hospitalar», explica Maria João Canotilho, diretora do SUG do CHL.

A nova unidade de internamento, que agora se designa por UICD, é composta por 20 camas, com a possibilidade de disponibilizar mais cinco camas suplementares em situações de sobrelotação de doentes no SUG, e funciona 24/24 horas, todos os dias. As áreas amarela e verde do SUG designam-se agora por Área de Decisão Clínica.

Nesta Unidade são admitidos doentes estáveis, cujas necessidades podem ser satisfeitas numa enfermaria hospitalar, sob a responsabilidade da Medicina Interna ou outra especialidade médica com critérios de internamento e expectativa de manutenção no SUG superior a 24 horas.

Relativamente à Sala de Emergência do SUG, local destinado à prestação de cuidados intensivos emergentes, o Serviço de Medicina Intensiva do CHL disponibiliza para este efeito um médico intensivista que coordena o atendimento da Sala de Emergência. O médico intensivista é o “gestor” do doente crítico, ou seja, o indivíduo cuja vida se encontra ameaçada por complicações e que necessita de cuidados e tratamentos imediatos, altamente diferenciados, bem como de uma observação contínua e sistemática para deteção e prevenção precoce de novas complicações ou de evolução das existentes.

«A presença contínua de um médico intensivista no nosso SUG para o tratamento de doentes emergentes e críticos é fundamental para prestarmos os cuidados mais adequados e, simultaneamente, diferenciarmos a nossa capacidade de resposta, mais atempada e eficiente», afirma Maria João Canotilho.

Fonte: Midlandcom

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.