Edição: 282

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/5/30

AGIR 2022 premeia ações de cariz ambiental

Prémio AGIR da REN distingue projeto de promoção da abelha e do mel em Porto de Mós

Apicultor das Serras de aire e Candeeiros

O Projeto para a criação do Centro de Interpretação da Abelha e do Mel (CIAM) na Serra de Aires e Candeeiros, promovido pela Associação Vertigem, localizada em Porto de Mós, foi distinguido com o segundo lugar do Prémio AGIR da REN, este ano, dedicado à promoção do meio ambiente, da biodiversidade e ao combate às alterações climáticas. Este projeto tem como objetivo promover a apicultura na região com o envolvimento da comunidade e dos produtores locais, desenvolvendo oportunidades de emprego. Em primeiro lugar ficou o projeto “Lousada + VERDE: Restauro Ecológico em prol da comunidade” da Associação VERDE, de Lousada. A Cooperativa Rizoma, com a Mercearia Comunitária em Lisboa, ficou em terceiro lugar.

Com sede em Portela Vale de Espinho, Porto de Mós, a Associação Vertigem tem como objetivo a valorização do património cultural, natural e da biodiversidade. O Centro de Interpretação da Abelha e do Mel (CIAM) será criado precisamente para envolver a comunidade e os apicultores locais e para educar em relação à sociedade das abelhas.

A criação do CIAM numa antiga escola, em plena Serra de Aires e Candeeiros, é a ação mais visível do projeto da Associação Vertigem, segunda classificada no Prémio AGIR. Mas a Associação pretende também criar oportunidades para o sector da apicultura e do turismo, aumentar a proteção ambiental, o crescimento económico e desenvolver novas oportunidades de emprego. Para tal, tem como objetivo envolver mais de 5.000 pessoas nos primeiros três anos em ações de formação, atividades de educação ambiental e visitas ao CIAM.

De acordo com o projeto, o CIAM passará a ser um polo congregador e dinamizador da apicultura e do turismo próximo da natureza no concelho de Porto de Mós. Está ainda prevista a criação de um web site de suporte promocional com ligações ao turismo local, regional e nacional que irá contribuir para esse objetivo.

Para Rui Cordeiro, presidente da Vertigem, “com o prémio AGIR da REN será possível envolver outras entidades na recuperação de uma antiga escola primária, que vamos equipar com materiais para a educação ambiental. Será ainda criado um polo de agregação dos apicultores locais para formação, assim como um espaço dedicado para receber escolas no âmbito da educação ambiental. E vamos valorizar a apicultura e o turismo apícola, dando valor à região e rendimento aos apicultores. Queremos implementar uma apicultura amiga do ambiente, com uma abordagem em técnicas apícolas centradas na apicultura biodinâmica que respeite a integridade natural da colônia”.

Instituições de Lousada e de Lisboa também premiadas

O “Lousada + VERDE: Restauro Ecológico em prol da comunidade”, o projeto vencedor do AGIR, teve origem nas intervenções que a Associação VERDE tem efetuado em terrenos abandonados, através da sua solução de compensação de carbono, “Carbono Diverso”. A iniciativa prevê a intervenção da associação em propriedades privadas, efetuando o controle de espécies invasoras, a plantação de árvores e arbustos autóctones e a construção de estruturas de madeira morta e de charcos, essenciais para aumentar a biodiversidade das áreas que apresentem já algum valor de conservação da natureza pela presença de árvores de grande porte.

Com estas medidas, será testado um modelo que misture a valorização dos serviços de um ecossistema e práticas de gestão (agro)florestal que aumentem a biodiversidade. O escoamento de produtos agroflorestais ajudará ainda na criação de receitas que permitam tornar o projeto autossustentável. É também objetivo da VERDE promover ações de voluntariado e educação ambiental envolvendo centenas de cidadãos durante o próximo ano.

Para João Soutinho da VERDE, “o Prémio AGIR da REN vai-nos permitir ter mais meios, mais equipamentos, e estudar potenciais cadeias de valor de produtos secundários que possam sair desta floresta – bolota, medronho, mel, cogumelos, entre outros. Com a implementação deste projeto, será ainda possível potenciar atividades de educação ambiental e de visitação, desenvolvendo, deste modo, um laboratório através do qual a floresta nativa poderá ser valorizada, tornando-se um ativo do território.”

Já o terceiro lugar foi atribuído ao projeto de uma Mercearia Comunitária, da Rizoma Cooperativa Integral, com sede em Lisboa. A mercearia, sem fins lucrativos e acessível para compras apenas aos cooperantes, pretende ser um passo para o combate às alterações climáticas ao fomentar uma mudança no sistema alimentar. E também um investimento na comunidade e na economia local, ao apoiar os produtores locais e incentivar o empreendedorismo.

Na Rizoma, os cooperantes têm acesso a produtos saudáveis, na sua maioria locais, sazonais e com baixo impacto ecológico, a preços justos para quem produz e acessíveis para quem consome – nas etiquetas de preço aparece o valor pago ao produtor, o IVA e a margem da cooperativa sobre o produto. Baseada num modelo escalável e replicável, já realizado com sucesso noutros países, a mercearia comunitária é pioneira em Portugal e apresenta uma resposta transversal a vários problemas sistémicos relacionados com o consumo. O prémio AGIR permitirá a expansão da mercearia-café, promover a angariação de novos membros e o envolvimento dos produtores locais.

De acordo com Camila Lobo, da Rizoma Coop, “a sustentabilidade está presente na circularidade do funcionamento da loja: através da escolha de produtos com baixo impacto ambiental, a reutilização de embalagens e reaproveitamento de alimentos em vias de desperdício para criar produtos e composto. O Prémio AGIR vai ter um importante impacto na comunidade, pois irá permitir adquirir novos equipamentos e melhorar o sistema de gestão da mercearia, continuando a promover o consumo sustentável e a dar resposta às necessidades da comunidade.”

O Prémio AGIR 2023 será dedicado à Promoção do Desenvolvimento Sustentável, em linha com a Agenda 2030, criada em 2015 pelas Nações Unidas e que a REN incorpora na sua estratégia de sustentabilidade. A Agenda 2030 contém 17 Objetivos e 169 metas de Desenvolvimento Sustentável, aborda várias dimensões do desenvolvimento sustentável (sócio, económico, ambiental) e pretende ser uma visão comum para a Humanidade, um contrato entre os líderes mundiais e os povos, para a promoção da paz, justiça e instituições eficazes.Na edição de 2023 do Prémio AGIR, a REN irá apoiar projetos que promovam soluções sustentáveis para o cumprimento de um ou mais dos ODS e suas respetivas metas, promovendo assim o desenvolvimento sustentável.

Fique a conhecer melhor os projetos vencedores nos seguintes links:

Lousada +VERDE
Centro de Interpretação da Abelha e do Mel
Mercearia Comunitária Rizoma

Sobre o Prémio Agir:

O Prémio AGIR enquadra-se na política de envolvimento com a Comunidade e Inovação Social da REN. Anualmente, o Prémio AGIR seleciona uma área de intervenção social e distingue três projetos. As últimas edições foram dedicadas aos temas “Inovação Social na Resposta à Covid – 19”(2021), “Promoção do emprego e integração profissional de pessoas em situação de vulnerabilidade” (2020), “Promoção do Sucesso Escolar e Combate ao Abandono Escolar” (2019), “Preservação do património natural” (2018); “Inserção Laboral de Pessoas com Deficiência” (2017); “Combate à Pobreza e Exclusão Social” (2016); “Envelhecimento Ativo” (2015) e “Criação de Emprego” (2014).

A seleção dos três melhores projetos é da responsabilidade da REN, em parceria com a STONE SOUP, que acompanha e monitoriza a utilização dos fundos doados a cada projeto apoiado, efetuando também a avaliação do impacto social real do apoio atribuído. Ao primeiro classificado é concedido um valor monetário de trinta mil euros, ao segundo quinze mil euros e ao terceiro cinco mil euros.

Mais informação em: https://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/premio_agir

Sobre a REN

A REN – Redes Energéticas Nacionais atua em duas grandes áreas de negócio: o transporte de eletricidade em muito alta tensão e a gestão técnica global do Sistema Elétrico; o transporte de gás natural em alta pressão e a gestão técnica global do Sistema de Gás Natural, garantindo a receção, armazenamento e regaseificação de GNL, bem como o armazenamento subterrâneo de gás natural. A REN está também presente no negócio das telecomunicações, através da RENTELECOM, que inclui serviços diversificados, passando pelas infraestruturas, serviços geridos ou consultoria. Satisfazendo todos os critérios de qualidade e segurança que se lhe exige, a REN quer ser um dos mais eficientes operadores europeus de sistema de transporte de eletricidade e gás natural e, assim, construir valor para os seus acionistas.

    Fonte: CV&A

 

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.