Edição: 281

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/4/22

Antigo deputado e autarca foi recordado pelo historiador e comentador

Pacheco Pereira em Porto de Mós : “Silva Marques foi uma figura incontornável da história democrática”

José Pacheco Pereira

José Pacheco Pereira foi o orador da quinta sessão do Ciclo de Conferências “Ditadura e Democracia: que História? Que Presente? Que Futuro?”, sobre o tema “Censura e a Imprensa Clandestina durante o Estado Novo”.

A relação inevitável entre o orador e a Ephemera – Biblioteca e Arquivo de José Pacheco Pereira, foi o mote para o início da sessão. Para além de professor, investigador de história contemporânea portuguesa, jornalista, cronista e político, a criação da Ephemera permitiu a José Pacheco Pereira concretizar a importância da imprensa escrita nos diferentes períodos da história e da sociedade.

Pacheco Pereira destacou a relevância histórica da imprensa clandestina, como uma das principais formas de resistência à ditadura, revelando o papel fundamental que desempenhou na divulgação de informações censuradas e na manutenção da luta pela liberdade e pela democracia. O autor enfatizou como os meios de comunicação clandestinos se tornaram verdadeiras armas de papel, capazes de desafiar o regime e informar determinados quadrantes da população sobre a realidade política e social do país.

Mais do que o papel da imprensa clandestina, José Pacheco Pereira abordou a pressão e transformação que a censura criou na mentalidade da época, afirmando que este meio de repressão foi um dos mais incisivos e permanentes no decorrer de toda o período ditatorial.

O pináculo da sessão chegaria quando Pacheco Pereira definiu José Augusto da Silva Marques, portomosense e antigo presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, como “uma figura incontornável da história democrática. Um homem com coragem política”, ressalvando a importância de salvaguardar a história de José Augusto da Silva Marques.

O ciclo de conferências tem como objetivo promover um debate plural e aprofundado sobre o período ditatorial português, permitindo uma análise crítica de seu legado histórico e sua relação com o presente e o futuro do país. Ao longo dos próximos meses, diversas outras temáticas relacionadas à ditadura e à democracia serão abordadas, reunindo especialistas de diferentes áreas do conhecimento.

     Fonte: PA|GC|CMPM

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.