Edição: 281

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/4/24

Considerando que “Morar na Nazaré é um Direito”

Nazaré junta-se a várias localidades no dia 30 de setembro na promoção de ações pelo direito à habitação

Cartaz

A Nazaré junta-se a várias localidades portuguesas que promovem ações a 30 de setembro pelo direito à Habitação, um direito constitucionalmente consagrado, que deve ser defendido.

“O problema do acesso à Habitação existe no país inteiro: falta de casas, rendas impossíveis, salários praticamente estagnados e prestações ao banco sempre a subir. Na Nazaré, se não for igual, é pior. Já chega de esperar pelo governo, que anda entretido a anunciar pacotes de medidas sem fazer nada, empurrando com a barriga uma realidade que se agrava de dia para dia. De promessa em promessa, não resolve a crise da habitação, porque não quer mexer com os interesses do sector financeiro, das grandes empresas de construção civil e do sector imobiliário, que são quem enriquece brutalmente enquanto os outros vivem sempre em crise”, alegam os promotores da iniciativa.

“Como se não bastasse, juntou-se à crise da habitação que atravessamos um aumento generalizado dos preços da energia, da alimentação, dos produtos e serviços essenciais…. Pagamos os lucros extraordinários das petrolíferas, das grandes empresas do sector alimentar, dos bancos e de outras grandes empresas privadas, sem que os governos façam seja o que for para alterar este processo – pelo contrário, incentivam-no, degradando cada vez mais as nossas vidas”, adiantam.

“No concelho da Nazaré, sabemos que é muito difícil conseguir uma habitação. Todos os dias ouvimos isso na rua ou mesmo de alguma pessoa próxima de nós. No entanto, os sucessivos governos nacionais e locais parecem ter dado muito pouca importância a esta realidade. A Estratégia Local de Habitação reconhece o grave problema de habitação no concelho da Nazaré. Não basta reconhecer o problema, é essencial agir rapidamente na sua resolução. Se no plano nacional é necessário fazer muito, no plano local também é urgente encontrar soluções”, refere Alexandre Isaac, um dos promotores.

“Se não pararmos juntos e agora esta máquina, que viola os nossos direitos mais básicos, que está a destruir a coesão territorial e social, as consequências serão sentidas na Nazaré de hoje e de amanhã. O Movimento Casa para Viver quer ouvir a tua opinião. Sabemos que é preciso encontrar soluções específicas para os problemas da habitação no nosso concelho, com respostas e soluções adaptadas à realidade das nossas freguesias. Para isso, a tua participação é fundamental. Queremos ouvir-te, para encontrarmos a solução certa para a Nazaré”, defendem.

Os promotores da iniciativa pedem a todas as pessoas que não conseguem morar no concelho, que ainda não conseguiram sair ou que tiveram que voltar para a casa dos pais, que não sabem se conseguem continuar a viver na Nazaré, que venham contar a sua história. “Venham dizer o que é já não ter lugar na nossa terra”, marcamos encontro no dia 30 de setembro, às 15h, na Praça Sousa Oliveira”, apelam.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.