Edição: 281

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/4/17

Mestrado inclui a Nazaré como referência de estudos de desenvolvimento local

Nazaré integra plano de estudos de mestrado de turismo da Universidad Complutense – Madrid

Walter Chicharro e Ignácio Ruiz com os alunos do curdso

A Universidad Complutense de Madrid figura entre as mais antigas do mundo. Foi fundada em 1499. Um dos mestrados inclui a Nazaré como referência de estudos de desenvolvimento local. Meia centena de estudantes que frequentam um mestrado na área do turismo da Universidad Complutense de Madrid [Espanha] estiveram, no dia 24 de novembro, na Nazaré, um caso integrado no Plano de Estudos deste curso do 2º ciclo do ensino superior, para conhecer, no terreno, a evolução de um município que se tornou numa marca internacional.

Ignácio Ruiz, coordenador do curso, referiu-se à importância de levar os estudantes até aos destinos turísticos que “se tenham convertido em referências de nível internacional, passando por uma transformação urbanística, política
municipal e desenvolvimento de serviços para locais e visitantes”, registando, com isso, um “crescimento
surpreendente”, como surpreendente é também “a capacidade de absorção de tantos turistas num município de
pequenas dimensões, com muito turismo de sol e praia”.

“Os estudantes devem perceber como é que um município foi capaz de planificar e gerir [esta transformação] para
prestar serviços aos locais e aos visitantes, que chegam de toda a parte do mundo”, sublinha.

O presidente da Câmara, Walter Chicharro, recebeu o grupo com a apresentação das principais mudanças verificadas após a projeção da força do canhão submarino na formação de ondas gigantes, que são cada vez mais uma referência obrigatória do surf mundial.

“De uma vila, quase exclusivamente piscatória, a Nazaré passou a crescer no turismo, nos negócios e nos
investimentos em diversas áreas de atividade, nomeadamente por parte de multinacionais e empresas nacionais de
diversos sectores.”

O impacto das ondas gigantes na economia da Nazaré começou a evidenciar-se entre 2014 e 2015, o que, segundo o
autarca, foi visível “com propostas de instalação de projetos de hotelaria e de novos negócios”. Ao longo dos últimos
8 anos, o crescimento fez-se sentir, também, nos licenciamentos urbanísticos, para projetos hoteleiros e residências
de particulares, nomeadamente para estrangeiros.

“A Nazaré gera mais notícias internacionais do que Lisboa. O maior volume de artigos sobre a Nazaré foi detetado nos EUA. Mais de 50 canais de televisão visaram a Nazaré. A liderança é esmagadora: dos 180 artigos que referiram
destinos da região durante o mês de novembro (uma subida considerável, em comparação com os 106 do mês
passado), 159 tinham a Nazaré como protagonista.”

A afluência de visitantes ao Forte de São Miguel Arcanjo, que oferece uma vista privilegiada sobre o mar e a zona onde o canhão submarino gera as ondas gigantes, é, também, uma evidência da atenção que a vila tem despertado sobre o turismo. Em setembro passado, o equipamento, gerido pela Câmara Municipal, atingiu os 2 milhões de visitantes.

O futuro “passará pela continuação de realização de eventos desportivos de mar e de praia, nomeadamente os
torneios europeus, campeonatos de surf e ondas grandes, futebol e andebol de praia, cujo retorno tem sido, até ao
presente, considerável, mas também pelos eventos culturais e artísticos, sem esquecer a captação de indústria para
a Área de Acolhimento Empresarial de Valado dos Frades”, disse o autarca.

A qualificação do espaço público, tornando-se mais atrativo a vários níveis, tem sido outra das apostas da autarquia,
que pretende manter este investimento que contribuem para projetar o concelho como um destino de qualidade,
seguro e especifico, e na primeira vila portuguesa “carbono zero”, através de um dos primeiros projetos de raiz, no
país, de mobilidade sustentável.

A água, um recurso natural importante, é um fator determinante para a atividade do turismo, e um dos seus maiores atrativos, sendo, também por isso, um forte aliado do setor.

   Fonte: SM|GCI|CMN

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.