Edição: 281

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/4/17

Nos dias 7, 8 e 9 de dezembro

II Festival Leiria Cidade Criativa da Música vai ter três dias de música e 15 criações em estreia

Cartaz

O Festival Leiria Cidade Criativa da Música está de regresso à cidade do Lis para a segunda edição nos dias 7, 8 e 9 de dezembro de 2023, com três dias de música em estreia absoluta sobre o tema “Património Natural e
Arquitetónico de Leiria”. Respondendo às guidelines de ação Unesco para as Cidades Criativas, o Festival pretende solenizar músicos de Leiria, afirmando-se como um momento de agregação criativa que coloca em diálogo os artistas locais com nomes incontornáveis do panorama musical português nos campos da Música Alternativa, Jazz e MúsicaContemporânea.

O fruto desta interação criativa em torno do tema proposto anualmente, é apresentado ao longo de três dias de concertos no Teatro José Lúcio da Silva e no Teatro Miguel Franco. O talento musical emergente é um ponto estratégico para a LCCM e, no sentido de o estimular, criámos o Concurso Internacional de Composição de Leiria que vê no Festival a sua fase final com a execução das obras finalistas e consequente atribuição de prémios a jovens compositores das áreas do Jazz e da Música Erudita.

Para além do concurso, foco em quatro jovens intérpretes de Leiria que se têm destacado a nível internacional: Diogo Alexandre e Eduardo Cardinho que se apresentarão como solistas no concerto da Orquestra de Jazz de Leiria e Pedro Santos e José Guilherme Neves que se apresentarão como solistas no concerto do Ensemble de Sopros da AFCL.

No dia 7 de dezembro, abertura do Festival pela mão de um dos nomes emergentes mais importantes da Música Alternativa em Portugal: Inês Apenas, que se fará acompanhar pela Camerata de Cordas de Leiria, apresentando em estreia absoluta o espetáculo “Leiria Não Existe”. A artista leiriense abraçou o desafio de criar um espetáculo original escrevendo para a Camerata de Cordas e que promete levar o público numa viagem musical pela cidade, evocando, num tom bastante pessoal, as memórias e aventuras vividas em locais icónicos da cidade de Leiria.

No dia 8 de Dezembro, sobe ao palco uma das melhores bigbands do país a Orquestra Jazz de Leiria, que sob a direção de César Cardoso, interpretará obras originais de compositores leirienses e nomes incontornáveis na
história do Jazz Português tais como João Capinha, Joel Silva, Nelson Cascais, Jeffrey Davis, Zé Eduardo e Paulo Perfeito.

Os compositores foram desafiados a escrever música inspirada em espaços da cidade promovendo junto destes um olhar atento sobre este património e sobre os que têm passado na cidade um olhar emocional das experiências vividas aqui. As peças produzidas foram inspiradas na Casa do Arco, a Casa dos Pintores, ou ainda o Mercado Sant’Ana.

Neste concerto celebramos dois jovens leirienses com um percurso musical extraordinário: Diogo Alexandre
(bateria) e Eduardo Cardinho (vibrafone) que se apresentam enquanto solistas à frente da Orquestra de Jazz de Leiria a executar as obras de Joel Silva um dos maiores e mais ativos bateristas em Portugal e Jeffery Davis o
mais internacional vibrafonista do Jazz português.

A encerrar o festival, no dia 9 de dezembro, solenizamos a vasta tradição filarmónica do concelho de Leiria, com cerca de quatrocentos músicos no ativo. Sobe ao palco um grupo de extraordinários solistas, escolhidos de
entre as várias Filarmónicas do Concelho de Leiria, compondo assim o Ensemble de Sopros da Associação de Filarmónicas do Concelho de Leiria, dirigido pelo Maestro Tiago Alves. O ensemble interpretará música dos
leirienses Mário Nascimento e Rui Lavos e de Ângela da Ponte, Pedro Lima, Telmo Marques, e Nuno da Rocha.Os compositores inspiraram-se em locais como o M|i|MO, a Nascente do Rio Lis, o Castelo de Leiria e Vale do
Lapedo.

Este concerto celebra dois jovens talentos leirienses atualmente a residir fora do país e que regressam a Leiria para se apresentarem enquanto solistas à frente do Ensemble de Sopros da AFCL, o jovem guitarrista Pedro Santos atualmente a estudar em Weimar e que estreará a obra de Nuno da Rocha um compositor de créditos firmados com obras estreadas pela Orquestra Gulbenkian, e o jovem Tubista José Guilherme Neves, atualmente a estudar em Amesterdão e que interpretará a obra de Telmo Marques nome firmado da composição em Portugal com vasto repertório onde constam obras estreadas pelas mais importantes agrupamentos e solistas nacionais e de onde se destaca a estreita colaboração com o Tubista Sérgio Carolino.

Leiria coloca-se na rota dos concursos de composição, meio indispensável a jovens compositores à procura de se afirmarem no mercado global. São estes talentos emergentes que queremos atrair a Leiria criando um diálogo
estreito entre estes e os nossos ensembles e performers ,promovendo desta forma a projeção internacional da cidade e dos seus músicos.

O Concurso Internacional de Composição de Leiria afirma-se pelo seu ecletismo com as categorias de Jazz e Música Erudita. Durante o Festival Leiria Cidade Criativa da Música são executadas as obras finalistas e anunciados os vencedores do concurso. As obras finalistas desta edição são “Senhora do Monte” de Estela Alexandre e “Fibers” de Hristo Goleminov e serão executadas pela Orquestra de Jazz de Leiria no dia 8 de dezembro.

Durante estes três dias, Leiria recebe quinze criações em estreia absoluta, encomendadas pela Cidade Criativa da Música a criadores de música alternativa, jazz e erudita aqui interpretada por músicos de Leiria, num estímulo claro à criação musical contemporânea e à capacitação do tecido artístico local que assegura a realização artística de todo o festival. Leiria consolida a sua posição como Cidade Criativa da Música na Rede Mundial de Cidades Criativas UNESCO reforçando o papel central da música e da arte para a cidade junto da comunidade e da Rede Mundial de Cidades Criativa.

Fonte: DCRP|CML

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.