Edição: 281

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/4/20

Candidato Rafael Henriques visitou a Mata Nacional de Leiria

BE critica falta de planeamento e calendarização da recuperação do Pinhal de Leiria

Rafael Henriques

Rafael Henriques, cabeça de lista do Bloco de Esquerda à Assembleia da República pelo distrito de Leiria, visitou a Mata Nacional de Leiria no segundo fim de semana de fevereiro, acompanhado de vários aderentes locais e candidatos.

Sete anos após os incêndios que consumiram quase 90% do Pinhal de Leiria, o BE constata que “os trabalhos de recuperação desenvolvidos foram medíocres e concretizados de forma avulsa, sem a coerência de um plano de recuperação adequado que integre as várias dimensões a ter em conta, desde a preservação da biodiversidade ao controlo e gestão de invasoras. O mesmo se aplica às matas nacionais do Pedrógão e do Urso, que são contíguas, estendendo o pinhal público desde a Marinha Grande até Pombal.”

Segundo o Bloco de Esquerda, “apesar das inúmeras recomendações desenvolvidas pela Comissão Científica para a Recuperação das Matas Litorais e pelo Observatório Técnico Independente, os Governos passados e o ICNF ignoraram redondamente a generalidade das medidas, não havendo nenhum instrumento de planeamento e calendarização conhecido que as contemple e priorize.”

As áreas plantadas após os incêndios revelam uma taxa de sucesso muito baixa, verificando-se a morte de muitas árvores. As linhas de água estão tomadas por plantas invasoras, ainda que as poucas áreas que foram plantadas logo após os incêndios exibam árvores com bons desenvolvimentos, o que demonstra que estas zonas poderiam hoje estar restauradas, se tivesse havido um investimento sério na recuperação de linhas de água, com plantação de espécies ribeirinhas e com gestão adequada. É exemplo o troço do ribeiro de São Pedro de Moel próximo da estrada atlântica, onde a iniciativa cidadã plantou espécies ribeirinhas e muitos exemplares tiveram sucesso, apesar da quase ausência de intervenções de gestão pós-plantação.

Ainda segundo o BE, “as áreas onde a regeneração natural teve maior sucesso são atualmente geridas de forma desadequada, devido à ausência de meios próprios do ICNF, à falta de competência técnica das entidades contratadas e à ausência de instruções adequadas da entidade gestora. O mesmo se pode constatar ao longo da estrada que liga a Marinha Grande a Vieira de Leiria, onde havia um grande banco de sementes, em talhões que arderam com pinheiros de idade mais avançada.”

As operações de gestão da regeneração natural “raparam” toda a vegetação presente e só deixaram os jovens pinheiros. Urzes e medronheiros foram colhidos juntamente com as acácias e o solo ficou nu, com pinheiros dispersos que perderam ancoragem ao solo, tendo muitos caído com os ventos fortes. Para o BE, “estas operações de limpeza são desastrosas para a biodiversidade e são uma porta aberta às invasoras, que crescerão sempre mais rápido que as restantes plantas e, com a repetição desta prática, vão assumir cada vez mais dominância sobre a mata.”

O Bloco de Esquerda compromete-se com a recuperação das matas litorais e propõe a construção de um plano de recuperação com metas estabelecidas e calendarizadas que integre e priorize as recomendações científicas e envolva os atores locais em torno do interesse público. Um caminho que exige a capacitação do ICNF na Marinha Grande com meios adequados para o efeito.

    Fonte: BE|Leiria

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.