Edição: 281

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/4/20

Situada na EN3-3, sobre a Vala da Azambuja

Câmara do Cartaxo encerra Ponte de Santana após relatório do LNEC destacar o risco de colapso de alguns arcos

Fendas nos arcos da Ponte de Santana

A Câmara Municipal do Cartaxo encerrou a Ponte de Santana. A proposta do presidente da Câmara Municipal foi aprovada por unanimidade, após relatório do LNEC que destaca o risco de colapso de alguns arcos da ponte e a possibilidade de a passagem de veículos pesados poder provocar o colapso imediato da ponte.

João Ferreira Heitor lamentou o tempo perdido no lançamento do concurso para a construção do Viaduto de Santana e deu conta do compromisso do secretário de Estado das Infraestruturas e da Infraestruturas de Portugal, na reunião de 5 de fevereiro com a autarquia, de que a obra vai integrar o 1º aviso de candidatura para intervenções na Linha do Norte.

A inspeção à Ponte de Santana, situada na EN3-3, sobre a Vala da Azambuja, no Cartaxo, pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), determinou a proposta apresentada por João Ferreira Heitor nas sessões extraordinárias que convocou, quer da Comissão Municipal de Proteção Civil, quer da Câmara Municipal.

A gravidade do estado da infraestrutura relatada pelo LNEC, levou o presidente da Câmara Municipal do Cartaxo a propor o encerramento da ponte que liga duas freguesias do concelho – Vila Chã de Ourique e Valada. O relatório foi decisivo para a deliberação unânime quer de todas as forças de segurança, entidades e eleitos locais que integram a Comissão, quer dos vereadores do PSD e do PS – as duas forças políticas representadas na Câmara Municipal.

Na reunião da Câmara Municipal, que teve lugar no dia 23 de fevereiro, às 8h00 da manhã, o executivo analisou o relatório da inspeção do LNEC que afirma que as “anomalias comprometem a resistência da ponte, afetando assim a sua segurança estrutural“ e recomenda que “deva ser encerrada ao tráfego por não reunir as condições de segurança necessárias.”

     Nova passagem sobre a Vala da Azambuja em Santana é essencial ao desenvolvimento da região

O presidente da Câmara Municipal destacou a importância que a ligação tem para a população de todo o concelho, com destaque para as famílias, para as empresas, instituições e explorações agrícolas das freguesias de Vila Chã de Ourique e Valada, mas também para a mobilidade na região.

O autarca deu conta do esforço que tem efetuado junto da administração da Infraestruturas de Portugal e do Ministério das Infraestruturas para que seja construído o novo Viaduto de Santana, com a consequente supressão da passagem de nível.

O presidente da Câmara destacou que o relatório do LNEC vem certificar a convicção da autarquia de que a construção de uma nova travessia rodoviária em Santana, sobre a Vala da Azambuja, é a única solução que pode trazer segurança à população, para além dos enormes ganhos económicos para a região, referindo-se ao facto de o relatório técnico afirmar “das soluções possíveis para restaurar a circulação do tráfego, no local da ponte, com as necessárias condições de segurança, a única que é adequada consiste em fazer o cruzamento desnivelado da Linha do Norte e o atravessamento do vale da Vala da Azambuja.”

João Ferreira Heitor deu conhecimento que na última reunião de trabalho com a administração central, que decorreu no dia 5 de fevereiro, quer o Secretário de Estado das Infraestruturas, quer a Infraestruturas de Portugal, afirmaram que a obra é prioritária e que o financiamento para a construção do novo Viaduto de Santana vai integrar o 1º aviso de candidatura para intervenções na Linha do Norte, assim como, que pelo facto de o projeto técnico já se encontra concluído, após financiamento, a obra será lançada a concurso público.

A Câmara Municipal do Cartaxo lamenta esta decisão e apela à compreensão de todos os utilizadores desta infraestrutura pelo incómodo que o encerramento de trânsito vai causar e reforça que a decisão tem como fim a salvaguarda da segurança de pessoas e bens.

     Fonte: MS|GC|CMC

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.