Edição: 284

Diretor: Mário Lopes

Data: 2024/7/20

Por intermédio da Secção para o Intercâmbio Cultural Luso-Asiático do Clube UNESCO para o Património Cultural

EICEL1920 reabilita Património Mineiro de Rio Maior com o apoio de cidadãos beneméritos

.Arquiteto Nuno Rocha, com os beneméritos Sra. Chen Yanhong e Dr. Chau Seng Chon, e o Sr. Leong Fu Cheong, em Macau

O projeto cívico de salvaguarda e musealização do património mineiro de Rio Maior entrou no dia 14 de junho numa nova fase com a assinatura do contrato de empreitada para a execução de obras de reabilitação da antiga secção de trituração da fábrica de briquetes da Mina do Espadanal, celebrado entre a EICEL1920, Associação para a Defesa do Património, e a empresa JM Bernardes & Filhos Lda.

As obras em curso concretizam o objetivo fundamental que presidiu à criação da EICEL1920 em 2010: a salvaguarda e musealização da antiga fábrica de briquetes da Mina do Espadanal.

O processo de estudo e salvaguarda do património mineiro de Rio Maior, iniciado em 2004 pelo presidente da Direcção da EICEL1920, Arquitecto Nuno Rocha, e consubstanciado em tese de Mestrado apresentada ao Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 2010, vem mobilizando desde então a comunidade riomaiorense em defesa de um património definidor da identidade local.

O trabalho realizado pela EICEL1920 desde a sua constituição mereceu o reconhecimento das entidades oficiais e da comunidade científica. Em 2013, o Município adotou as propostas da EICEL1920 para o Património Mineiro no Plano Estratégico de Desenvolvimento de Rio Maior. No mesmo ano, a Assembleia Municipal de Rio Maior aprovou um Voto de Louvor à EICEL1920. Em 2014, a fábrica de briquetes foi inventariada no Registo DOCOMOMO Ibérico – A Arquitectura da Indústria, sob proposta da EICEL1920.

No dia 19 de Julho de 2019, a Assembleia da República aprovou o Projeto de Resolução nº 2241/XIII/4.a (PCP), recomendando ao Governo que adote o procedimento necessário para a classificação do conjunto edificado composto pela fábrica de briquetes e plano inclinado da Mina do Espadanal, em Rio Maior, enquanto Património de Interesse Público.

Antes, no âmbito das Comemorações do Centenário da Mina do Espadanal, a Câmara Municipal de Rio Maior e a EICEL1920 haviam celebrado, a 28 de Janeiro de 2017, um Protocolo de Colaboração e um Contrato de Comodato para cedência do edifício da antiga secção de trituração da fábrica de briquetes da Mina do Espadanal, com o objetivo de esta associação ali instalar a sua sede e desenvolver atividades no âmbito do seu objeto social. O Protocolo e o Contrato de Comodato referidos foram renovados a 21 de Novembro de 2019.

O projeto de restauro e musealização do edifício, desenvolvido a título gracioso pelo presidente da Direcção da EICEL1920, Arquitecto Nuno Rocha, insere-se numa proposta de recuperação faseada do complexo mineiro do Espadanal. Numa primeira fase instalar-se-á um núcleo museológico no qual será feita uma leitura integrada do património geológico e das evidências patrimoniais da atividade mineira e da indústria extrativa disseminadas pela região, e a apresentação da História do Couto Mineiro do Espadanal.

Tendo em vista a futura dinamização de um Museu Mineiro, e a inserção do projecto nas redes internacionais de defesa e valorização do património cultural, a EICEL1920 promoveu a criação do Clube UNESCO para o Património Cultural, cujo protocolo de constituição foi celebrado a 23 de Novembro de 2019, e que ficará definitivamente instalado na antiga fábrica de briquetes.

Este reconhecimento do projeto ao mais alto nível, potenciou a obtenção de fundos para a realização da obra de restauro da antiga secção de trituração da fábrica de briquetes da Mina do Espadanal, no valor de cerca de 120 mil euros, através de apoios concedidos pelos cidadãos beneméritos Sra. Chen Yanhong e Dr. Chau Seng Chon, obtidos por intermédio da Secção para o Intercâmbio Cultural Luso-Asiático do Clube UNESCO para o Património Cultural, coordenada pelo Sr. Leong Fu Cheong.

A concretização desta obra dotará o concelho de Rio Maior de um equipamento cultural longamente ambicionado pela comunidade riomaiorense, preservando e valorizando a memória da importante indústria mineira desenvolvida na região durante o século XX, e constituirá um centro para o intercâmbio cultural Luso-Asiático integrado na Rede de Clubes e Associações UNESCO.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ainda não há comentários nenhuns.